Juiz argentino anula nomeação por decreto de ministros por Macri. E a mídia urra…

Fernando Brito, Tijolaço 

O Juiz Federal  de cidade argentina de Dolores, na Província de Buenos Aires, Ramos Alejo Padilla (foto) , emitiu uma liminar contra a nomeação “em comissão” de advogados Carlos Rosenkrantz e Horacio Rosatti para preencher vagas na Suprema Corte, feita pelo Presidente Maurício Macri para – acusam seus adversário – legitimar judicialmente suas decisões que “desmancham” mecanismos criados durante os governos Néstor e Cristina Kirchner, como a famosa “Ley de Medios”, que regula a concentração de poder das empresas de comunicação.


Padilla considerou nula, até que o Senado os aprove, a designação de Carlos Rosenkrantz e Horacio Rosatti para preencher vagas na Suprema Corte e determinou que estes não sejam empossados até lá, por sua designação estar em desacordo com as regras do Supremo. Aqui, sua decisão, na íntegra.

Foi o quanto bastou para que a imprensa conservadora partisse para cima do magistrado.

O Clarín e o La Nacion acusam Padilla de ser “integrante da organização  judicial kirchnerista Justicia Legítima, dando status partidário a uma agremiação que tem como propósito a democratização da Justiça.

Sabem como é aquela história de decisão judicial não se discute, cumpre-se?
Parece que só funciona de um lado: veja-se aqui o esperneio pelo fato de o STF ter decidido que o voto em todas as etapas do processamento do pedido de impeachment deverá ser aberto.

A “democracia” dos atos judiciais só é questionada quando se afirma no sentido da legalidade que se quer driblar."

Nenhum comentário: