Com tucano, é mais barato. E demora…

Fernando Brito, Tijolaço 

Semana passada, o ex-capa preta do tucanato Eduardo Azeredo foi condenado, em primeira instância (!!) por conta do “mensalão” praticado em 1998. Nunca foi preso, vai recorrer e, quem sabe, lá pelo ano de 2025 saia uma sentença final, convenientemente inaplicável.

Hoje é a vez de sabermos que a Alstom vai começar a pagar algo pelas propinas distribuídas ao longo de mais de uma década de governos tucanos em São Paulo, curiosamente por uma falcatrua de 1998, possivelmente a menor delas, já que se trata apenas de duas subestações de energia e não dos bilionários contratos do Metrô.

Algo, mas muito pouco. R$ 60 milhões, num contrato que lhe valeu R$ 317 milhões.

Porque o Ministério Público de São Paulo fez um acordo com a multinacional francesa, pelo qual ela devolve o sobrepreço de 15% (nisso, os tucanos são caros) e 5% deste valor (ou 0,75% do valor do contrato) como multa pela ladroagem.
Uma pechincha.

Não duvido das boas intenções dos promotores do caso.

Mas a moralidade seletiva neste país é um escândalo.

Para uns, jaula.

Para outros, paguem dez-mil réis e vão embora."

Nenhum comentário: