“Protestos” só juntam gatos pingados e caem no ridículo

Ricardo Kotscho, Balaio do Kotscho

Para quem esperava grandes "manifestações de protesto" contra o governo, fartamente comentadas pela imprensa durante as últimas semanas, o domingo foi frustrante. Às 10h49, o portal do Estadão já tinha jogado a toalha: "A manifestação marcada para a manhã deste domingo, 15, na Esplanada dos Ministérios reúne poucas pessoas. Boa parte dos que protestam no momento está ligada a movimentos de apoio à intervenção militar".

Eram tão poucos os gatos pingados espalhados pelo gramado em frente ao Congresso que acabaram caindo no ridículo. Para chamar a atenção, um dos grupos golpistas chegou a levar até um imenso boneco do general Antônio Mourão fardado com roupas de combate. Mourão é aquele general que foi exonerado do Comando Sul após fazer duras críticas aos políticos e ao governo Dilma.


Até o final do dia, a PM de Brasília não contou mais de dois mil manifestantes, que acabaram entrando em conflito com policiais quando tentaram invadir o espelho d´água em frente ao Congresso, e foram afastados com jatos de gás de pimenta. Em São Paulo, a polícia nem se deu ao trabalho de contar quantos apareceram na avenida Paulista, mas nas fotos dava para ver que havia mais jornalistas e ciclistas do que "protestantes". O assunto sumiu do noticiário.
Nenhum "movimento das ruas" assumiu a responsabilidade pelo retumbante fracasso. Nem os lideres dos revoltosos apareceram desta vez. Caiado, Bolsonaro e o cantor Lobão não foram vistos nas manifestações.

Depois que até o PSDB desembarcou das articulações pelo impeachment da presidente, na semana passada, a turma do "Somos todos Cunha" saiu antecipadamente de férias. Ao participar de um evento em Porto Alegre, no sábado, o líder tucano José Serra ofereceu a senha do novo momento do PSDB, dando um chega para lá nos radicais da dupla Aécio & Sampaio: "É possível fazer oposição sem causar danos de maneira permanente ao País só para enfraquecer o governo".

A minoritária ala de descontentes do PMDB contava com estas manifestações para defender que o partido rompa com o governo na reunião do Instituto Ulisses Guimarães marcada para esta terça-feira, mas não há a menor chance disso acontecer. Qualquer decisão ficará para a convenção nacional, que foi adiada pela direção do partido para março do ano que vem.
Tudo vai sendo adiado para 2016, como se o País tivesse apertado a tecla "pause". Estamos agora congelados na tela de espera."

Nenhum comentário: