PM de Alckmin prende lideranças estudantis

"A estudante Camila Lanes, eleita presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) no último fim de semana, e a presidente da Upes (União Paulista de Estudantes), Angela Meyer, ficaram detidas pela Polícia Militar dentro da escola Estadual Professor Moacyr Campos (Mocam) por algumas horas na manhã desta quarta-feira; escolas ocupadas contra a reforma do governo de São Paulo na educação, que prevê fechar mais de 90 unidades, já chegam a 50; duas devem ser desocupadas nesta tarde pela PM, que cumprirá mandados de reintegração de posse do Tribunal de Justiça; "Me bateram, jogaram no chão e me algemaram", relatou um professor agredido em ocupação de escola em SP

Brasil 247

A Polícia Militar deixou detidas por algumas horas na manhã desta quarta-feira 18 a estudante Camila Lanes, eleita presidenta da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) no último fim de semana, e a presidenta da Upes (União Paulista de Estudantes), Angela Meyer, que ocupavam a escola Estadual Professor Moacyr Campos (Mocam), localizada no bairro do Aricanduva, zona leste da capital.

A mobilização de estudantes contra a reforma na educação proposta pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), que prevê fechar 94 unidades, já ocupa 50 escolas. Os atos contam com apoio do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). Duas escolas devem ser desocupadas nesta tarde pela PM, que cumprirá mandados de reintegração de posse do Tribunal de Justiça de São Paulo.


A fim de tirar os alunos à força, a PM tem agido com truculência nas manifestações. Edivan Costa, professor de história do Ensino Fundamental e Médio, apanhou junto com a professora de filosofia Jaiane Estevam por tentar entrar no momento em que policiais buscavam fechar a escola José Lins do Rego, no Jardim Ângela, extremo sul da cidade, no último sábado 14.

"Me bateram, jogaram no chão e me algemaram", relatou o professor ao portal Diário do Centro do Mundo. O vídeo da cena viralizou nas redes sociais. "Colocaram-me no chão e me algemaram, meus olhos ardiam em brasa pelo gás de pimenta. Não houve diálogo e não resisti. Alunos e pais gritavam e tentavam se aproximar, mas eram afastados pela PM de cacetetes em punho", contou ainda Edivan Costa.

Leia mais na reportagem da Agência Brasil:

Justiça manda retirar estudantes de duas das 50 escolas ocupadas em SP

Duas das 50 escolas ocupadas por estudantes e integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) em São Paulo devem ser desocupadas na tarde de hoje (18) pela Polícia Militar. O Tribunal de Justiça informou que há dois mandados de reintegração de posse de instituições de ensino da Grande São Paulo que devem ser cumpridos hoje: um da Escola Estadual Diadema, localizada na Rua Antônio Doll de Moraes, no centro da cidade, e outro da unidade educacional Heloísa Assumpção, de Osasco.

Os manifestantes protestam contra a reorganização escolar que será implantada em janeiro de 2016 pela Secretaria de Educação. O projeto prevê o fechamento de 94 escolas e a transferência de cerca de 311 mil estudantes para instituições de ensino da região onde moram. O objetivo da reorganização, segundo a secretaria, é segmentar as unidades em três grupos (anos iniciais e finais dos ensinos fundamental e médio), conforme o ciclo escolar.

A Escola Diadema foi a primeira ocupada por estudantes na região metropolitana. Os jovens instalaram-se nas dependências na segunda-feira da semana passada (9). A ocupação da Escola Heloísa Assumpção ocorreu quinta-feira (12).

De acordo com levantamento divulgado pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial no Estado de São Paulo (Apeoesp), de ontem para hoje mais 13 unidades de ensino foram ocupadas e o total passou de 37 para 50.
A Secretaria de Educação atualizou nesta quarta-feira a relação das escolas ocupadas por estudantes e integrantes do MTST em protesto contra a reorganização escolar. Segundo a secretaria, das 50 unidades citadas pela Apeoesp, três foram desocupadas, em outras três não há ocupação, mas sim manifestações, e em outra ocorreu "apenas uma tentativa". Portanto, segundo a pasta, no momento há 43 escolas ocupadas.

Em nota divulgada ontem (17), a secretaria informou que continua disposta a dialogar com os manifestantes que ocupam algumas unidades de ensino da capital e região metropolitana, apesar das constantes negativas desses grupos. A secretaria lamenta que grande parte das invasões seja liderada por representantes de movimentos que desconhecem o processo de reorganização da rede de ensino. Diz ainda que reconhece o direito à livre manifestação, mas ratifica que não pactua com movimentos político-partidários que não têm como objetivo a melhoria da qualidade do ensino e cerceiam o direito dos alunos de assistir às aulas. A secretaria informa que todo o conteúdo pedagógico perdido será reposto."

Nenhum comentário: