Lula: o melhor presidente, mas com rejeição maior

"Pesquisa Datafolha deste fim de semana aponta que o ex-presidente Lula é considerado o melhor da história por 39% dos brasileiros; ele lidera a pesquisa com folga, mas seu número já foi bem melhor (71%); erosão da imagem de Lula também contribui para cenários eleitorais que favoreceriam a oposição; se as eleições de 2018 fossem hoje, Aécio teria 31%, contra 22% de Lula e 21% de Marina Silva; com Alckmin no lugar de Aécio, Marina apareceria na frente, com 28%; nas simulações de segundo turno, Aécio derrotaria tanto Lula como Marina; ela, por sua vez, venceria Lula e Alckmin, que também derrotaria o ex-presidente

Brasil 247

Apesar do bombardeio diário a que vem sendo submetido, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda é considerado o melhor de todos os tempos por 39% dos brasileiros. Bem distante, com 16%, aparece Fernando Henrique Cardoso, que ontem disse que Lula não merece o seu respeito (leia mais aqui). Getúlio Vargas aparece em terceiro lugar com 8% e Juscelino Kubitschek em quarto, com 5%.

Lula ainda lidera, mas seus números já foram bem melhores. Quando deixou a presidência, ele era considerado o melhor presidente da história por nada menos que 71% dos brasileiros. Isso mostra que a Operação Lava Jato, que deu margem a ataques diários ao ex-presidente na imprensa e nas redes sociais, produziu efeitos.

Essa erosão da imagem de Lula também afetou as simulações eleitorais para 2018. Se as eleições fossem hoje, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teria 31% contra 22% de Lula e 21% de Marina Silva. Aécio, no entanto, tinha 35% na pesquisa anterior e também vem tendo aumentos em sua taxa de rejeição.
Num segundo cenário, com Geraldo Alckmin no lugar de Aécio Neves, Marina Silva apareceria em primeiro, com 28%, seguida por Lula com 22% e Geraldo Alckmin com 18%.

Nas simulações de segundo turno, Aécio venceria Lula e Marina. Ela, por sua vez, derrotaria tanto Alckmin como Lula. E o governador paulista também derrotaria o ex-presidente. Tudo isso, claro, se as eleições fossem hoje."

Nenhum comentário: