'Fechar escolas e superlotar salas é um crime!'

Estudantes, pais e alunos da rede pública estadual de SP em mobilização contra fechamento de escolas por Alckmin
"A chamada "reorganização" da rede estadual de ensino promovida pelo governo de Geraldo Alckmin está repleta de contradições e não se sustenta em bases pedagógicas e argumentos plausíveis

Maria Izabel Azevedo Noronha, Apeoesp

Temos dito, e reafirmamos, que esta verdadeira bagunça que o governo Alckmin está fazendo, com o fechamento de 94 escolas e mudanças em outras 752 unidades visa tão somente o corte de gastos, a "racionalização" administrativa e financeira, o "enxugamento" da máquina do Estado, enfim, a aplicação do receituário neoliberal do Estado mínimo, concepção sempre implementada pelo PSDB aos serviços públicos.

A tese de que é preciso separar crianças menores de crianças maiores e separar crianças e adolescentes não tem nenhuma sustentação pedagógica e não tem nada a ver com ciclos de aprendizagem. Em sua correta acepção, os ciclos reúnem estudantes de acordo com seus estágios de aprendizagem, pouco importando suas idades.

O que o governo estadual está fazendo é um retrocesso, um rompimento com os avanços que experimentamos nos últimos anos e a quebra do ensino fundamental de nove anos. É um retorno à seriação, aos tempos em que, em plena ditadura, tínhamos separados o primário, o ginásio e o segundo grau (ou colegial)."
Matéria Completa, ::AQUI::

Nenhum comentário: