Estudantes não creem em Alckmin e mantêm ocupação

Sarah Fernandes, Rede Brasil Atual

–Terminou sem acordo a audiência de conciliação no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) realizada na tarde de hoje (19) entre o secretário estadual da Educação, Herman Voorwald, e representantes de alunos secundaristas, sobre a reorganização do ensino público paulista. As medidas incluídas na proposta levarão ao fechamento de pelo menos 93 escolas e transferências de cerca de 311 mil alunos.

Voorwald disse que levará ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) a proposta dos estudantes, de cancelar a reorganização de imediato e colocar o projeto em discussão ampla com pais, alunos e professores durante todo o ano de 2016.
Os estudantes vão discutir o rumo das ocupações, que já atingem 64 escolas estaduais.

Na segunda-feira deverá realizada nova audiência entre as partes. A Defensoria Pública deve apresentar o posicionamento dos alunos e o governo também deve se posicionar.

Estudantes presentes no tribunal cantaram durante a audiência "não tem arrego" e contrariaram determinação do desembargador de escolher um porta-voz, preferindo subir ao palco em grupo e dividir as falas.

"O governo está tratando ocupações como pauta judicial e policial", "decidimos ocupar a escola como ato de resistência à medida do governo que não nos consultou", e outras manifestações traduziram os sentimentos dos estudantes.

247: Confira abaixo a íntegra da nota da Secretaria, em que o governo evita o termo "suspensão", mas abre a proposta para negociações:

"A Secretaria da Educação do Estado reafirma o compromisso com a reorganização da rede de ensino. Mais uma vez o diálogo deve prevalecer entre alunos e dirigentes para conseguir, de maneira pacífica, chegar a um consenso.
As diretorias regionais de ensino continuarão à disposição para dialogar e trabalhar em equipe para garantir que os 200 dias letivos sejam cumpridos.
Um documento apresentado ao Ministério Público mostra os 5 principais pontos mencionados na tarde de hoje (19) pelo secretário Herman Voorwald, acompanhe abaixo:

1. envio do material da reorganização específico de cada unidade escolar. Prazo: em 48 (quarenta e oito) horas após a desocupação.

2. redistribuição do material da reorganização a todas as unidades da rede estadual de educação. Prazo: em 48 (quarenta e oito) horas após a desocupação.

3. realização de debates com a comunidade escolar, a serem organizados nas dependências das unidades escolares. Prazo: em até 5 (cinco) dias, após o recebimento do material referente ao item 1;

4. indicação de representantes da comunidade escolar – Grêmios, Associações de Pais e Mestres, Conselhos de Escola ou representantes desses segmentos, para consolidar propostas a serem encaminhadas às Diretorias de Ensino;

5. reuniões das equipes das Diretorias de Ensino com representantes indicados pela comunidade escolar para tratar as propostas. Prazo: até 10 (dez) dias após a realização dos debates indicados no item 3;"

Nenhum comentário: