Cunha e Renan são os responsáveis pela agressão diante do Congresso

Fernando Brito, Tijolaço 

O inacreditável episódio dos tiros disparados, bem diante do Congresso Nacional, tem dois culpados, ficamos sabendo hoje.

Estava assistindo a sessão do Congresso para a votação dos vetos presidenciais (já comentarei isso) e vi e ouvi o Presidente do Senado, Renan Calheiros, diante das notícias de violência contra a marcha das mulheres negras,  dizer que a ocupação da área diante do Congresso pelo acampamento, por resolução das duas casas, só poderia ser feita com autorização de seus dois presidentes e como ele não havia dado autorização e, portanto, “ia conversar com Eduardo Cunha”.

Ora, se só pode ser com a de ambos e ele não tinha dado, não tem que conversar nada antes, tem de mandar sair, porque não estão autorizados.

Qualquer um que olhe aquelas barracas, a maioria vazia, todas da mesma marca e modelo, arrumadinhas  como num acampamento militar vê que não há nada de espontâneo.

Pior, desde o final da semana passada, quando foram encontradas armas e, depois, brandiram cassetetes e sprays de pimenta, ficou claro que ali se preparava uma tragédia.

Que quase aconteceu hoje com os dois policiais – segundo o G1, ao menos um deles pertencente ao grupo de acampados – dispararam seus revólveres contra a marcha das mulheres.

Cunha e Renan, um por ação, outro por omissão, são responsáveis por permitir que aquela palhaçada perigosa continue ali.

A esta altura, já deveria haver ali um caminhão dos bombeiros despejando jatos d’água – que não vão machucar ninguém – e “limpando a área”.

A democracia tem de se defender e não ser leniente com quem vai de arma em punho dar tiros no direito dos outros.

Aí está a cova de cobras em que resultou o endeusamento de uma dúzia de facínoras, sem qualquer representatividade senão a que a mídia lhes concedeu."

Nenhum comentário: