Aécio agora diz que Cunha “contamina” a Câmara

"Depois de meses aliado ao presidente da Câmara, alvo de inquérito no STF por envolvimento no esquema de corrupção da Lava Jato e dono de contas secretas na Suíça, por onde passaram milhões de dólares em propina, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) descobriu que a situação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é "frágil" e "contamina" a Câmara dos Deputados; "As denúncias são extremamente graves", declarou Aécio, durante evento do PSDB em Salvador nesta sexta-feira 6; como noticiou mais cedo o 247, a direita - oposição e colunistas da mídia - já vê Cunha como bode na sala do golpe; nessa semana, o peemedebista foi alvo de uma chuva de "dólares" na Câmara, jogados por manifestantes

Brasil 247

Depois de meses aliado ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – figura-chave para colocar em prática o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff –, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) finalmente descobriu que ele está em uma posição "frágil" e que "contamina" a Câmara dos Deputados.

Cunha é alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) por envolvimento no esquema de corrupção da Lava Jato, pelo qual teria recebido propina por meio de contratos da Petrobras, além de dono de contas secretas na Suíça, por onde teriam passado milhões de dólares de origem ilícita.

"As denúncias são extremamente graves", declarou Aécio nesta sexta-feira 6, durante evento do PSDB em Salvador. Conforme noticiou mais cedo o 247, a direita – oposição e colunistas da mídia – já vê Cunha como bode na sala do golpe. Nessa semana, o peemedebista foi alvo de uma chuva de "dólares" na Câmara, jogados por manifestantes.

No evento do PSDB ('Caminhos para a Região Nordeste') na Bahia, Aécio disse que seu partido não está sendo omisso diante da situação delicada pela qual passa o presidente da Câmara, que também é alvo de processo de cassação no Conselho de Ética da Casa por quebra de decoro parlamentar. 

Aécio disse em entrevista à rádio Metrópole que "são contundentes as provas" contra Cunha. "A partir do momento em que surgem as denúncias, nossa bancada tem que votar com as provas, e as provas são contundentes contra Cunha".

Depois no evento que discutiu segurança pública, o tucano subiu o tom e avaliou como "extremamente graves" as denúncias contra Cunha, que está numa posição "frágil" e que "contamina" a Câmara.

De acordo com Aécio, os deputados do PSDB votarão "de acordo com as provas" tanto no Conselho de Ética, quanto no plenário, numa possível votação pela cassação de Eduardo Cunha.

Ainda defendeu que o relator do processo que investigará Cunha, deputado Fausto Pinato (PRB-SP), atue com independência na condução do caso.
Aécio ainda lembrou os tucanos não apoiaram Cunha para a presidência da Câmara e votaram no deputado Júlio Delgado (PSB).

"O PSDB não votou no presidente da Câmara. Mas a partir do momento em que ele venceu e nos ofereceu alguns espaços para que exercêssemos nossas funções de oposição, isso foi feito a luz do dia".


Nenhum comentário: