A principal conclusão do Datafolha

O brasileiro tem que rejeitar a existência de favelas
A principal conclusão do Datafolha é a seguinte: a mídia desinforma a sociedade.

Isso fica claro naquilo que foi classificado como o maior problema brasileiro pelos respondentes: a corrupção.

É uma besteira.

E é lamentavelmente uma coisa comprada pelos brasileiros porque eles são bombardeados diuturnamente com essa mensagem.

A real tragédia brasileira chama-se desigualdade social. Poucos ricos e muitos pobres.

Numa escala mais ampla, é a tragédia número 1 não apenas do Brasil como do mundo.

Considere o Papa Francisco.

Rapidamente ele virou um fenômeno, uma referência global exatamente por eleger a desigualdade como o mal maior a combater.

Francisco virou provavelmente a mais influente personagem dos nossos tempos porque foi logo erguendo a voz contra a miséria.

Se ele falasse obsessivamente em corrupção, em vez da iniquidade, seria motivo de piada. Ninguém o ouviria.

A corrupção prospera em ambientes iníquos. Não é por acaso que os países mais igualitários – a Escandinávia é o maior exemplo — são os menos corruptos.

Para a plutocracia, cuja voz é a mídia, interessa colocar o foco na corrupção. Você evita que a sociedade discuta a questão da desigualdade. As pessoas ficam como que hipnotizadas.

Note também que mesmo o debate sobre corrupção é parcial e mistificador. Não se considera corrupção, para ficar num caso, a sonegação contumaz das  grandes corporações de mídia.

A Globo, no caso mais gritante, faz anos que adota o truque da pessoa jurídica nos maiores salários para sonegar. O contrato não é renovado quando a Globo demite.

Isso significa que o demitido sai sem os direitos clássicos trabalhistas. Se ficar incomodado, tem que recorrer à Justiça, o que nunca é um decisão fácil dado o tamanho da Globo.

Que jornalista quer se indispor com uma empresa que tem tevês, rádios, jornais, revistas etc? Se a Globo põe você na lista negra você está frito. Ou pelo menos estava, antes que a internet surgisse para minar a Globo.

Claudia Cruz foi à Justiça e ganhou da Globo, mas já estava claro que ela contava com o marido Eduardo Cunha para as questões financeiras.

Não é à toa que o coro da corrupção floresce, na mídia, em governos populares.

Getúlio Vargas foi vítima disso. João Goulart também. Lula agora é o alvo.
Todos eles, cada qual de seu jeito, estavam combatendo por um país mais igual.

Para a plutocracia corrupção, no fundo, é se insurgir contra a desigualdade.
O Brasil precisa de um Francisco que acorde as pessoas para o câncer da iniquidade.

Há que falar, falar e ainda falar. Pregar, pregar e ainda pregar.

Foi fazendo isso, com motivos inconfessáveis, que a imprensa levou os brasileiros a aceitar a desigualdade, como se ela fosse uma coisa irrelevante diante da corrupção.

É o que mostra o Datafolha, e isto é uma grande pena exceto para os beneficiários da injustiça social —  os plutocratas.

Nenhum comentário: