“Sigam o dinheiro” das contas de Cunha. Mas o crime político não precisa de mais provas

Fernando Brito, Tijolaço 

"A revelação, publicada por Jaílton de Carvalho em O Globo, de que Eduardo Cunha fechou – um mês após a prisão de Paulo Roberto Costa –  duas das quatro contas  que mantinha no Banco Julius Baer, na Suíça, torna óbvio que as investigações sobre o dinheiro que estava ali têm dois caminhos evidentes e necessários.

De onde veio e para onde foi.

Quem foram as pessoas e empresas que nela depositaram e quem recebeu seus saldos, se em moeda, ordem de pagamento ou transferência de valores.

Não há sentido em não se dar a público as informações, até porque o essencial, do ponto de vista político, está confirmado pela manifestação do Procurador-Geral, Rodrigo Janot, ao confirmar que há contas não-declaradas no exterior.

É o suficiente para caracterizar evasão de divisas e falsa declaração ao TSE e, depois, à própria Câmara dos Deputados.

É ridículo que um promotor de Justiça, o líder do PSDB, Carlos Sampaio, ainda diga que o caso Cunha “dependa de provas”.

O procurador Janot produziu-as, hoje, ao responder ao requerimento de informações do PSOL, nestes termos:

“Vossa Exa. confirma a existência de contas bancárias em nome do Deputado Eduardo Cunha e dos seus familiares  na Suíça?”

E Janot: “A resposta é afirmativa”.

Assinado embaixo.

A investigação criminal é outra coisa e esta pode e deve ser longa, detalhada e equilibrada.

Cunha não operava sem o concurso de uma rede.

Que tem tudo para mudar de nome para quadrilha.

A situação de Eduardo Cunha é a de uma bola de neve que desce montanha abaixo.

Quem a tentar “segurar” será tragado por ela."

Nenhum comentário: