Oposição racha entre permanência ou saída de Cunha

Jornal GGN

"As divergentes manifestações da bancada da oposição diante das investigações no Supremo Tribunal Federal (STF) e denúncias do Ministério Público Federal do Brasil e da Suíça contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ) provocaram uma racha entre os partidos.
Os deputados, que antes apoiavam quase por unanimidade o presidente da Câmara, nas tratativas de mergulhar no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, manifestaram uma nota pública, no último sábado (10), cobrando a saída de Cunha. 
A nota foi assinada pelo PSDB, DEM, PPS, PSB e Solidariedade, por meio dos líderes Carlos Sampaio, Arthur Maia, Fernando Bezerra Filho, Mendonça Filho, Rubens Bueno e Bruno Araújo, pedindo o "afastamento do cargo de presidente até mesmo para que ele possa exercer, de forma adequada, seu direito constitucional à ampla defesa".
Ainda que com a cautela da nota, o movimento dos principais líderes oposicionistas na Câmara incomodou Cunha e revelou que, apesar de publicamente solicitaram a queda do presidente da Câmara, eles mantinham o suporte nos bastidores, uma vez que apenas quatro deputados desses partidos assinaram o requerimento de cassação no Conselho de Ética. 
O que inicialmente era previsto como uma manifestação de decoro parlamentar aos eleitores, destacando a discordância de um presidente da Câmara carregar o histórico de denúncias, tornou-se desequilíbrio para a bancada. A nota rachou a frente da oposição.
Um dos primeiros parlamentares a se manifestar contra foi Paulinho da Força, do Solidariedade, que afirmou que seria preciso "consertar a m. que fizemos" e que para ele a publicação foi "um erro, uma besteira, não acrescentou nada e só criou dificuldade para o nosso lado". 
O deputado avaliou que a ação "jogou Cunha nos braços do governo". Também foi essa a interpretação recebida pelo senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) de um colega do PT. A análise ocorre porque com a investida da oposição, Cunha estuda atrasar o impeachment para se manter na Câmara.
O temor de Eduardo Cunha é que, depois da decisão do STF e assim sob a responsabilidade única pelo pedido de abertura de impeachment de Dilma Rousseff, os partidos da oposição só se interessem por sua permanência até que dê início ao processo de queda da presidente.
Um dos que assinou a nota pública, o líder do DEM, Mendonça Filho, revelou que o tema também gerou divergências na sigla, segundo reportagem da Folha de S. Paulo. "Temos que conviver com o debate interno", afirmou, posicionando-se que a oposição nao pode servir para "blindar Cunha".
A relação de Cunha com o PSDB também ficou desgastada. Graças a Carlos Sampaio (SP), que além de assinar a nota e motivar a elaboração da manifestação, afirmou em entrevista que o presidente da Câmara tinha, "por ora, o benefício da dúvida" sobre as investigações. Nesse meio campo, Sampaio foi criticado por quem defendia Cunha e por quem esperava uma postura mais firme da oposição contra ele.
O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) também indicou o erro do partido de "pecar por lentidão", ao não ter desembarcado do núcleo de apoio de Cunha, mesmo assinando a nota pública. "O PSDB da Câmara está errando", disse, completando que "era para ter reagido mais rapidamente, mas ainda há tempo". Já Sampaio respondeu à Folha que a sua bancada "não será linha auxiliar do PSOL". O PSDB deve reunir a Executiva Nacional ainda nesta semana para definir uma posição."

Nenhum comentário: