Evangélicos como Cunha eliminaram o mandamento ‘não roubarás’ da Bíblia

“Deus, tira os caras da Suíça do meu pé e eu te dou uma parte”
Kiko Nogueira, DCM

A invasão ao Facebook de Eduardo Cunha leva a duas conclusões: a zoeira não tem limites (“o que a Suíça tem de melhor: chocolate, queijo ou banco?”), bem como a cegueira cúmplice de evangélicos.

A quantidade de votos de que Deus o ilumine é chocante, juntamente com milhares de “améns” e louvações variadas.

Cunha é o sujeito que, com a ficha corrida que tem, se descreve nas redes sociais como “evangélico, economista, defensor da vida, da família e do RJ”.

A família, sabe-se agora mais do que nunca, é a dele. O silêncio das lideranças religiosas sobre o presidente da Câmara mostra como, embora decorem os versículos mais obscurantistas da Bíblia, eles não dão a mínima para mandamentos como “não roubarás”.

O neopentecostalismo celebra a riqueza e Eduardo Cunha é um símbolo da prosperidade. Como ele chegou lá é um detalhe. Se picaretas como o pastor Marco Feliciano, por exemplo, pedem o cartão de crédito das pessoas no púlpito, qual o limite moral dessa gente?

A mitologia da humildade e as palavras de Jesus Cristo sobe a pobreza não fazem parte da liturgia dos pares de Cunha. Não à toa, suspeita-se que ele lavava dinheiro através de sua igreja.

Jesus se manifestou diversas vezes contra o amor ao dinheiro e contra a ganância. Não faltaria, portanto, assunto para esses religiosos em seus cultos.

Eduardo Cunha é um caso pedagógico, entre outras coisas, de onde a ganância desmedida leva um sujeito.

No entanto, evangélicos preferem dizer que Cunha precisa de apoio porque ele é, afinal, um deles. Uma estrela da bancada. O homem que promove cultos numa afronta ao estado laico. Um herói.

Dane-se o Brasil. Dane-se, ao fim e ao cabo, Deus. Muito mais importante do que a ladroagem de um dos nossos é combater os gayzistas, os abortistas, os comunistas (e aquele rapaz gato que deixa o bispo ma-lu-co).

Cunha deveria ser um embaraço para os cristãos, já que ele montou na fé para construir sua carreira. O fato de nenhum líder evangélico se manifestar claramente sobre o colega é sintomático: Eduardo Cunha é espelho e não exceção."

Nenhum comentário: