Aécio agora diz que queria ajudar Dilma

"Mesmo obcecado pelo golpe e à frente de um PSDB que encampa pautas-bomba e defende até o fim do fator previdenciário, criado por FHC, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) garante que pretendia colaborar com o País depois da derrota na eleição presidencial; "Quando liguei para a presidente da República poucos minutos depois de derrotado, disse a ela: 'Meus cumprimentos, a senhora tem uma grande missão, que é unir o País'. Eu dei ali um sinal. (...) [Ela] não compreendeu que estava ali dando um sinal claro de que eu estava disposto de alguma forma a contribuir para isso", diz o tucano

Brasil 247

Principal liderança do movimento pelo golpe, desde o dia em que foi derrotado nas eleições presidenciais, há um ano, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) declara agora que estava disposto a ajudar a presidente Dilma Rousseff "em torno de uma agenda para o País".

"Quando liguei para a presidente da República poucos minutos depois de derrotado, disse a ela: 'Meus cumprimentos, a senhora tem uma grande missão, que é unir o País'. Eu dei ali um sinal. Ela agradeceu, mas não teve nem sequer a delicadeza de cumprir a liturgia dos momentos eleitorais de comunicar ao País que recebeu os cumprimentos do candidato derrotado. E não compreendeu que estava ali dando um sinal claro de que eu estava disposto de alguma forma a contribuir para isso", disse ele, em entrevista ao jornalista Eduardo Kattah.

Aécio reiterou a declaração feita no ano passado de que perdeu a eleição não para um partido político, mas para uma organização criminosa. E afirma acreditar que "o PSDB resgatou a polarização e é o grupo político em condições de encerrar esse ciclo perverso do PT que está aí."

Leia aqui a íntegra."

Um comentário:

Celso Junqueira disse...

Quem fornece o pó que ele cheira? Será o Perrela?