Professor da FGV diz que Gilmar fez ode ao impeachment


"Para Gilmar, a discussão sobre financiamento de campanhas é uma conspiração contra a oposição e, por isso, deve ser rejeitada. Abandonou-se o debate constitucional e optou-se por uma ode ao impeachment", disse Rubens Glezer, professor de Direito da FGV, ao comentar seu voto na sessão sobre doações de empresas privadas; "Ainda que juízes não sejam neutros, eles possuem deveres de imparcialidade que ancoram a sua legitimidade democrática. Desabafos políticos são importantes, mas são cabíveis em apenas em dois edifícios da Praça dos Três Poderes"

Brasil 247

O professor de Direito Rubens Glezer, da Fundação Getúlio Vargas, condenou a postura do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, na sessão que julgava a legitimidade das doações privadas.
 
"Sob o pretexto de votar na ação sobre o modelo de financiamento de campanhas eleitorais, o ministro Gilmar Mendes ocupou seu espaço institucional no Supremo Tribunal Federal para se posicionar e discursar contra o Partido dos Trabalhadores e à Presidência da República. Seja qual for a sua posição política, não é saudável para a qualidade das instituições que juízes - e muito menos ministros do STF - se comportem como parlamentares", escreveu Glezer.

"Para Gilmar, a discussão sobre financiamento de campanhas é uma conspiração contra a oposição e, por isso, deve ser rejeitada. Abandonou-se o debate constitucional e optou-se por uma ode ao impeachment", disse Glezer. "Ainda que juízes não sejam neutros, eles possuem deveres de imparcialidade que ancoram a sua legitimidade democrática. Desabafos políticos são importantes, mas são cabíveis em apenas em dois edifícios da Praça dos Três Poderes" (leia aqui a íntegra)."

Nenhum comentário: