O filme, o rock e o golpe



Tereza Cruvinel, Blog: Tereza Cruvinel

 A democracia, e o que veio antes dela, o pesadelo da ditadura, relampejaram em dois momentos culturais neste final de semana em que,  sintomaticamente, discutiu-se intensamente, país afora, o afastamento da presidente da Republica por um heterodoxo processo de impeachment. Heterodoxo porque, diferentemente do que houve em 1992, agora se tenta trocar a ocupante da Presidência por motivos variados (da crise econômica à antipatia mais rasteira por ela e o PT) e não porque a presidência foi desonrada pela prática de crime de responsabilidade.

Ofuscado pelo Rock in Rio, está acontecendo  em Brasília a 48ª. Edição do Festival de Cinema da cidade, um dos mais importantes do país.  E foi lá, numa mostra não competitiva, que assisti a O Outro Lado do Paraiso, longa já premiado em Gramado como melhor filme, pelo júri popular. Por isso não pôde concorrer em Brasília, cidade que o inspira. O filme, uma produção de Nilson Rodrigues e Luis Fernando Emediato, é baseado no livro homônimo do segundo, e teve uma direção primorosa do jovem e já premiado diretor André Ristum. 

Nilson é um produtor cultural obsessivo, de uma pertinácia admirável, que voltou a empregar agora, para realizar este filme, pela história que ele conta e por ter Brasília como “locus”.   A história é a de uma família mineira, a de Emediato,  que parte para a capital federal recém inaugurada em busca de esperança e sonho. Corria o biênio 1963-1964, os anos trepidantes em que o povo brasileiro, no plebiscito de 1963, l devolveu os poderes presidencialistas a Jango, embalou-se com as reformas de base e acordou com os canhões nas ruas no dia do golpe.  Muitas cenas de arquivo foram usadas, assegurando um forte realismo dentro da ficção. Os jovens de hoje que falam em volta dos militares sem saber do que estão falando deviam assistir e refletir.

Melhor não contar muito, para que outros queiram ver o filme, que ainda não entrou no circuito comercial. Ele resgata também outra dívida de nossas produções culturais, ao reconstituir cenas da construção de Brasília, esta epopeia no sertão tão pouco valorizada.  Não foi simples o que tantos fizeram sob a liderança de JK  mas hoje agimos como se Brasília tivesse apenas brotado aqui,  na solidão, neste Planalto que vivia na Idade Média. Um fil me delicado e ao mesmo tempo forte, que toca o coração com o drama familiar e sacote a mente com a revisitação da História. 

A outra evocação da transição, no final de semana,  veio com o próprio Rock In Rio. Eu não estava lá na noite de sexta-feira, quando o Queen se apresentou. Sexagenários,  Brian May e Roger Taylor faziam-se acompanhar pelo jovem e elétrico Adam Lambert no papel de crooner que foi de Fred Mercury. Eu também teria chorado, como tantos lá presentes, quando May convidou a multidão a acompanha-lo em “Love of my life”. “Vamos cantar para o Fred”.  No telão, a imagem de Mercury cantando a mesma canção no Rock In Rio inaugural, o de 30 anos atrás. 

Naquele janeiro de 1985 eu era uma jovem repórter de O Globo. Não estava no Rock In Rio mas cobrindo a eleição de Tancredo Neves pelo Colégio Eleitoral. Em outras palavras, o fim da ditadura. O fim que não chegava  nunca ao fim, na longa e sinuosa transição que o Brasil vivia.   Todos que viveram aquela hora não se esquecem de uma imagem.  Horas depois da vitória de  Tancredo no Colégio Eleitoral um Cazuza ainda esbanjando saúde abre a show do Barão Vermelho enrolado na bandeira do Brasil. Dá bom dia à democracia nascente, fala do novo tempo que estava começando e o saúda cantando “Para o dia nascer feliz”

Trinta anos democráticos depois,   o filme que tem o golpe ao fundo,  o Rock in Rio que traz de volta tantos roqueiros de cabelo branco, embora não Mercure nem Cazuza....Sons e imagens que tocam o passado e alimentam as preocupações com o futuro de nossa ainda tão  jovem e vulnerável democracia, passando por um novo teste."

Nenhum comentário: