'Chute no traseiro' de Valcke. Globo chora!


Altamiro Borges, Blog do Miro


Nos preparativos da Copa do Mundo no Brasil, no ano passado, o francês Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa, virou celebridade nos telejornais da TV Globo e herói das elites com complexo de vira-lata. Por várias vezes, ele tentou desqualificar o país, afirmando que as obras não ficariam prontas e que o torneio seria um fiasco - o que a realidade desmentiu cabalmente. Numa ocasião, o arrogante cartola chegou a rosnar que daria "um chute no traseiro" do governo Dilma. Agora, porém, ele é quem leva um baita "chute na bunda", sendo afastado da Fifa por graves denúncias de corrupção. Será que a TV Globo, que também transita pelo submundo do futebol, vai chorar pelo triste fim do seu cartola?
Segundo a própria Fifa, mais suja do que pau de galinheiro, "Jerôme Valcke foi demitido com efeito imediato, até nova ordem. A Fifa tomou conhecimento de uma série de denúncias e pediu para que uma investigação oficial seja realizada pela sua Comissão de Ética", justificou a entidade, Segundo a mídia inglesa, que repercutiu amplamente o escândalo, há suspeitas do envolvimento do cartola num esquema de venda ilegal de milhares de ingressos da Copa do Mundo de 2014. A acusação foi feita por um executivo de uma empresa de marketing responsável pela comercialização das entradas VIP.
.
O escândalo de corrupção no futebol internacional, que já levou para a cadeia 14 cartolas - entre eles, o presidente da CBF, o aecista José Maria Marin -, envolve principalmente as bilionárias cotas de patrocínio nas emissoras de tevê. No Brasil, a transmissão dos jogos da Copa é uma exclusividade da TV Globo. Isto ajuda a entender a íntima relação do império global com o corrupto Jérôme Valcke. Quando estouraram as primeiras denúncias, o chefão da Fifa foi acusado de movimentar 10 milhões de euros de forma suspeita. Agora, a própria Fifa afasta o secretário-geral para evitar maior contágio. Será que as investigações ainda atingirão a famiglia Marinho? A conferir!" 

Nenhum comentário: