Escândalo: Globo quer fechar o Google no Supremo


"A Globo já tem dois votos no Supremo: Fux e Barroso (e Gilmar …)

Paulo Henrique Amorim, Conversa Afiada

O Ministro Fux pretende fechar o Google (no Brasil).

Ele acaba de afogar provisoriamente a Satiagraha.

Agora, o objetivo é fechar o Google, a Netxflix, o Facebook e tudo o que ameace a Globo !

No dia 25 de junho deste 2015, numa decisão ininteligível para os leigos – mas, solarmente clara para os amigos do Valdir Macedo … -  o Ministro Fux relatou o julgamento da Lei da Comunicação por Acesso Condicionado (SeAC).

SeAc.

Essas palavrinhas são magicas, amigo navegante: SeAC.

Fux afogou a pretensão do DEM – suspeita-se que o DEM, nesse caso, represente os interesses da Sky (mera suposição, amigo navegante), da NeoTV, da ABRA e da ABTVU.

Não se impressione com tantas letrinhas, amigo navegante.

Vamos imaginar que seja uma batalha entre a Sky e a Globo.

E Fux votou com a Globo.

Por que ?

Porque ele considerou que as empresas de tevê por assinatura tem que respeitar as mesmas regras da tevê aberta.

Como se sabe, quando foi à concordata, a Globo precisou vender a teve por assinatura ao mexicano Slim.

(O amigo navegante conhecerá os detalhes dessa hecatombe no livro “O Quarto Poder – o outro lado da história”, do ansioso blogueiro, que está para sair.)

Mas, fez com o Slim um acordo de provimento de conteúdo: o Slim fica com a Net, mas quem dá o conteúdo é a Globo …

Agora, o Ministro Fux disse ao DEM (será à Sky ?) que a tevê a cabo tem que cumprir as mesmas regras da tevê aberta.

Tem que ter propriedade nacional, conteúdo nacional, jornalismo nacional, tudo nacional, defesa da cultura nacional (o Faustão, o BBB, por exemplo) e botar no jn a repórter que tentou desmoralizar a Dilma diante do Obama.

Se o amigo navegante se der ao trabalho de ler o longo e ininteligível voto do Ministro Fux – mas perfeitamente claro para os amigos do meu informante, o Valdir Macedo … – perceberá que ele se valeu de um parecer do Ministro Barroso, que, no passado, advogou para a Aberto (ou seja, para a Globo).

O amigo navegante se lembra que, antes de quebrar, o portal Terra tentou botar uma televisão no ar ?

A Globo se espantou – a Telefônica de Espanha é que controlava o Terra – e encomendou esse trabalho ao advogado Barroso.

A Globo, não.

A Abert …

E o Dr Barroso disse o que ?

Disse o que o Ministro Fux precisava ouvir: que o Terra – logo, a internet, quando fizer televisão, terá que cumprir as mesmas regras da Globo: ou seja, botar no jornal nacional a repórter que tentou desmoralizar a Dilma …

E daí, amigo navegante ?

O amigo navegante viu que a presidenta foi à Califórnia, ao Vale do Silicio , andou no carro sem motorista da Google, conversou com a rapaziada do Google e do Facebook.

Já tinha conversado em Nova York com aquele que vai murdochizar a Globo.

Ou seja, o pessoal que vai jogar conteúdo – de vídeo ! – na convergência digital !

Tá ficando quente, amigo navegante ?

Será que o Ministro Fux achou que ninguém ia perceber ?

É o óbvio ululante: a Globo quer fechar o Google no Supremo.

(Nem a China conseguiu … Mas, aqui, o Mao dirige a Globo e se senta no Supremo …)

Com os votos do Fux e do Barroso.

E do Gilmar, claro !

É de clareza solar, amigo navegante.

É por isso que a Globo nunca topou, sequer, conversar sobre uma proteçao regulatória, uma Ley de Medios atenuada.

Conversar no Congresso ou com o Lula e a Dilma.

Ela se fechou.

Quer dizer, ela entregou seu destino ao Supremo.

Ao Fux e ao Barroso !

É o que demonstra aquele amigo do Valdir Macedo:

A Globo precisa de uma  proteção  regulatória para enfrentar seus novos grandes concorrentes: Google, Facebook, Netflix e outros  menores e maiores que aparecerão por aí.

Neste novo contexto, até o BV se tornou anacrônico. E, por isso, o Fux  abre mão da exigência de agências de publicidade nacionais.

Primeiro, as agências estão se concentrando globalmente, procurando sobreviver à lenta agonia do advertising .

Isto é, o poder de persuasão do BV fugiu ao controle local.

As decisões de marketing e de verba, cada vez mais são tomadas nas matrizes das grandes corporações. Depois, BV por BV, o Google e o Facebook têm mais caixa pra bancar.

O BV tornou-se até uma ferramenta perigosa com os gigantes da internet, porque  contrata aqui profissionais do grupo Globo que conhecem bem as regras legais e as “outras” do nosso mercado.

A estratégia da Globo é ganhar no tapetão, ou seja, no Supremo, para refazer a carcaça institucional que lhe protege, e ainda vender isso como uma grande vitória da produção nacional – isso é de tirar o boné.

Não engana ninguém.

Desde que se tenha acesso, como você pode fazer, à “secreta essencia “ – diria o Mino – da decisão do Fux.

O que interessa à TV aberta e paga da Globo é garantir o monopólio ou a proteção (quem entra terá de beijar a mão dos Marinho) na compra de direitos, principalmente esportivos.

E no jornalismo valerão as regras já criadas ou algo semelhante.

Todo mundo tem que levar para o seu jornal nacional aquela reporter que tentou desmoralizar a Dilma ! É mais ou menos isso !

O que a Globo quer é a garantia de preço e mercado.

O seu conteúdo e acesso exclusivo ao mercado brasileiro em qualquer plataforma continuarão caros.

Isso só é possível no pequeno grupo dos 11   do STF.

Precisaríamos ler as 120 páginas do Fux para confirmar essas elucubrações.

E saber como salvar o chamado interesse público – se é que isso existe – nesse novo mundo que deixa Kafka e Orwell irremediavelmente no século em que viveram.

Chega. Agora vou dormir. Até amanhã.


Paulo Henrique Amorim, com a ajuda de sonolento informante."

Nenhum comentário: