Aécio assume golpismo e sugere eleições em breve


"Em entrevista ao Globo, o presidente do PSDB assumiu pela primeira vez o discurso de antecipação do calendário eleitoral e deixa mais explícita a intenção de abreviar o mandato da presidente Dilma Rousseff; "Ou ela tem a capacidade de retomar o posto, de reassumir o comando do país — e eu tenho dúvida se ela terá — ou temos que estar abertos a novas opções", afirmou; Aécio pretende usar a delação de Ricardo Pessoa, mas há um complicador: o dono da UTC delatou doações ao PSDB e a seu vice Aloysio Nunes; outra hipótese de Aécio é usar a delação de Alberto Youssef; neste caso, fica ainda mais complicado uma vez que o doleiro o acusou de ser dono de uma diretoria em Furnas que pagava mensalão a parlamentares

Brasil 247

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, afirmou neste sábado, em entrevista publicada pelo jornal O Globo, que tem dúvidas se a presidente Dilma Rousseff termina o mandato, conquistado em outubro do ano passado em vitória sobre ele.

Aécio insiste nas chamadas "pedaladas fiscais" para pressionar o Tribunal de Contas da União a rejeitar as contas da presidente Dilma de 2014 e abrir caminho para um eventual pedido de impeachment. "Junto ao TCU nós mostramos que a presidente cometeu, de forma reiterada, inclusive este ano, crime de responsabilidade. Por outro lado, temos ações junto à Procuradoria Geral da República que, na verdade, demonstram que houve cometimento de crime comum", afirmou.

O presidente do PSDB pretende utilizar a delação do empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, para reforçar os argumentos em prol do golpe. "Ingressamos com outra ação por crime de extorsão com base na delação do senhor Ricardo Pessoa, quando diz que o tesoureiro da campanha condicionava a manutenção dos contratos da UTC e Constran na Petrobras às doações para a campanha eleitoral da presidente Dilma", afirma. O problema é que Ricardo Pessoa também faz delação que complica a vida do PSDB.

Nessa sexta-feira,3, o Jornal Nacional noticiou que a delação de Ricardo Pessoa é bem mais ampla do que se supunha. O dono da UTC/Constran implicou nada menos que 15 partidos ao falar de suas doações com recursos ilícitos, incluindo o PSDB, presidido por Aécio, e o DEM, de artífices do golpe, como os senadores Ronaldo Caiado (DEM/GO), denunciado por caixa dois pelo ex-companheiro Demóstenes Torres, e Agripino Maia (DEM/RN), investigado no Supremo Tribunal Federal pelo recebimento de propinas de R$ 1,1 milhão.

Outra hipótese defendida pelo tucano é a delação do doleiro Alberto Youssef, que disse à Justiça Eleitoral ter sido procurado por um emissário da campanha da presidente Dilma Rousseff no ano passado para trazer de volta ao Brasil cerca de R$ 20 milhões depositados no exterior. O complicador, neste caso, é que o mesmo Youssef já acusou Aécio de "ser dono" de uma diretoria em Furnas que pagava mensalão a parlamentares aliados do tucano.

Aécio Neve assumiu pela primeira vez de forma clara a defesa do golpe. "O PSDB tem que estar preparado para qualquer cenário. (...) Meu papel é garantir a unidade do partido. E democraticamente vamos agir no momento certo, não antes de 2017, para definir quem terá a responsabilidade de disputar as eleições. A não ser que o calendário eleitoral se antecipe", afirmou.

Questionado sobre eventual candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Aécio foi enfático: "Venha Lula, venha quem vier, o ciclo de poder do PT se encerrou. Porque eles não têm mais o que dizer para as pessoas. O PT, em uma próxima eleição, estará envergonhado. O PT vai passar por um estágio, que eu espero que seja longo, como oposição. Recuperar suas teses originárias, voltar a ser o partido representante de um segmento importante da população brasileira, da classe trabalhadora, com interlocução adequada com os sindicatos.

Faz falta ao Brasil um partido da classe trabalhadora. Mas é preciso um partido legítimo, sério, honrado. O PT virou o partido do capital. O capital distribuído para alguns poucos", afirmou.

Clique aqui e leia na íntegra a entrevista de Aécio Neves.

Nenhum comentário: