O que, exatamente, é a onda conservadora?


Gunter Zibell, GGN


"Eu realmente espero que essa circunstância de haver parlamentares propondo coisas absurdas não leve a uma onda de preconceito contra evangélicos.

Pessoas de fé pentecostal também são vítimas de discriminação. Já conheci religiosos no armário, o que é compreensível em uma sociedade onde há recorte social de classe também de religião, e não apenas de raça. Há que se trabalhar essa inclusão também.

Em quase nenhuma casa legislativa do país há uma maioria de bancada fundamentalista. Usualmente se fica em 15-20% nas Assembleias Legislativas e Câmaras de capitais.

Quando um projeto tosco é protocolado, o bom senso diz que comissões e presidentes de mesas não o encaminharão para votação. Mas, e se for a votação? Basta que esta seja aberta que a opinião pública 'cai em cima'. É essa a razão porque aquela tolice de 'cura gay' não foi sequer levada a votação, seria constrangedor.

Que eu me lembre nada disparatado foi aprovado. O Estatuto do Nascituro, por exemplo, não avançou.

No entanto, há o problema oposto: bons projetos secularistas, como o de incluir discussão de gênero em Planos Municipais de Educação ou realizar o aborto legal (desde 1940) no SUS, são barrados.

Isso acontece por uma onda reacionária? Como, se as bancadas são relativamente pequenas?

Isso acontece, na verdade, por negociação cruzada de apoios. Se há quem ofereça tempo de TV, elogio em púlpitos, apoio para não abertura de CPIs, etc, é porque há quem aceite.

Combinado não é caro, mas por outro lado não há tantos santos no Legislativo.
Se políticos influentes ou pessoas detentoras de elevados cargos executivos quiserem se mostrar contrários a projetos retrógrados ou quiserem se mostrar favoráveis a projetos evolutivos, podem.

Não existe nenhuma proibição para líderes políticos dizerem "eu sou contra a redução da maioridade penal" ou "eu apoio a criminalização da homofobia". Ou ainda "o aborto em função de estupro deve ser oferecido pelo SUS".

Não fazem porque querem manter um sistema de negociações em casas legislativas.

Então, vamos parar com esse muxoxo de que a sociedade está se tornando reacionária porque não está, não há nenhuma pesquisa de opinião que indique isso. (obs.: existe a circunstância de 90% da população apoiar a redução da maioridade penal, mas isso é um caso particular consequente de omissão do Poder Público nos três níveis desde a implantação do ECA. Questões de segurança pública são um gargalo no Brasil, um dos poucos grandes países onde a criminalidade aumentou nos últimos 20 anos.)

Fora a questionável redução da MP (e inclusive já temos uma alternativa sendo divulgada para isso), para que outro assunto há mesmo uma real pressão da Opinião Pública em prol de conservadorismo?

Para que bandeira conservadora moral/fundamentalista haveria artistas, acadêmicos, jornalistas, empresários - a chamada Opinião Pública, portanto - clamando por conservadorismo ou reacionarismo?

Um pouco menos de criação de espantalhos e um pouco mais de sinceridade são elementos bem-vindos para o Brasil atual."

Nenhum comentário: