“Marcha com Jesus” vira política, diz O Dia. Bolsonaro aderiu ao “não matarás”?


Fernando Brito, Tijolaço 

"A foto aí em cima é da “Marcha com Jesus” promovida hoje no Rio, publicada pelo jornal O Dia.

Jair Bolsonaro, Silas Malafaia e Magno Malta, o furibundo senador.

Nada tenho contra evangélicos, entre os quais tenho grandes amigos e convivi anos com a formação metodista de Brizola (sua mãe, Oniva, era da Sociedade de Senhoras da Igreja Metodista de Carazinho e ele viveu dois anos cuidado pelo reverendo Isidoro Pereira) e suas parábolas bíblicas.

Mas, a começar por Jesus, desvirtuar a fé em proveito próprio, sempre foi condenado, ainda que também por outras confissões religiosas.
Mas tudo tem limite. Claro que é legítimo a qualquer um, políticos inclusive, irem a atos religiosos.

Outra coisa é fazer deles palanque.

Até porque é duvidosa a coerência de que diz respeitar respeitar o “não matarás” e defende abertamente a pena de morte e tem uma coleção de declarações como a que reproduzo abaixo:
  • “Deveriam ter sido fuzilados uns 30 mil corruptos, a começar pelo presidente Fernando Henrique Cardoso”.
  • “Gastaram muito chumbo com o Lamarca. Ele devia ter sido morto a coronhadas.”
  • “Pinochet devia ter matado mais gente.”
  • “Já vai tarde”. (quando morreu  Luís Eduardo Carlos Magalhães, filho de Antonio Carlos Magalhães (ACM)
Será que ele leu o que diz o homenageado da Marcha em Lucas 6:27-31
«Digo, porém, a vós que me ouvis: Amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam, bendizei aos que vos maldizem, orai pelos que vos insultam. Ao que te bate numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te tira a capa, não lhe negues a túnica. Dá a todo o que te pede; e ao que tira o que é teu, não lho reclames. Assim como quereis que vos façam os homens, assim fazei vós também a eles.»

Nenhum comentário: