Em afronta ao estado laico, bancada evangélica reza Pai Nosso na Câmara


Do Tempo

Com cartazes com cenas de sexo explícito e imagens sagradas, parlamentares da bancada evangélica interromperam nesta quarta (10) a votação de um dos pontos da reforma política – a análise sobre o fim do voto obrigatório – no plenário da Câmara em uma manifestação contra a profanação da fé durante a Parada Gay, que aconteceu em São Paulo no último domingo (7).

ADVERTISEMENT
Sob a presidência de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que também é evangélico, dezenas de parlamentares adentraram o plenário aos gritos de “respeito” e “família”. Eles contornaram os assentos dos parlamentares e subiram para a mesa e tribunas do plenário. De mãos dadas, rezaram o Pai-Nosso e encerraram a manifestação bradando “viva Jesus Cristo”.

Autor de um projeto de lei, protocolado nesta semana, que torna crime hediondo a profanação de símbolos religiosos e a discriminação de religiões, chamada de “cristofobia”, o deputado Rogério Rosso (PDT-DF) fez um discurso em seguida. Ele afirmou que os manifestantes pró-LGBT estão “fazendo o que ninguém imaginava, que é unir todas as religiões”. Outros deputados da bancada também discursaram contra a Parada Gay.

Ao final do ato, o deputado Roberto Freire (PPS-SP) reclamou do ato, que em nenhum momento foi repreendido pelo presidente da Casa. “Eu respeitei a manifestação mas não pode ter nenhuma reza neste plenário. Tem que se respeitar o plenário”, afirmou. Ele foi vaiado por alguns deputados da bancada evangélica. “Vamos respeitar a República laica brasileira”, completou."

Nenhum comentário: