Denunciado por Youssef, Aécio quer saber quem mandou roubar


Luis Nassif, GGN

"Aécio Neves nunca primou pelo conhecimento. Sempre foi superficial como a manchete de jornal - que, aliás, sempre serviu de guia para ele. Mas, ao menos, tinha a imagem de político esperto, conciliador, justamente o perfil que o jogo político atual exige para conter a extrema radicalização do momento.
Até FHC e José Serra se deram conta disso.

Não Aécio, que se meteu na armadilha de vestir o uniforme de Catão.


É uma rota sem futuro porque dilui completamente a imagem de conciliador que acumulou nos tempos de governo de Minas. Ao mesmo tempo, o expõe nas muitas suspeitas que pesam sobre ele.

Seu conterrâneo Rodrigo Janot, procurador Geral da República, livrou-o de duas suspeitas pesadas. A primeira, as denúncias detalhadas de Alberto Youssef sobre os esquemas de caixinha em Furnas, beneficiando Aécio, muito mais detalhes do que na maioria das ações encaminhadas por Janot contra outros parlamentares.

A segunda, uma denúncia de conta no paraíso fiscal de Linchestein, que desde 2010 repousa na gaveta do PGR.

Alguém precisa alertá-lo que, até por esperteza, deveria abdicar desse papel ridículo de paladino da moralidade."

Nenhum comentário: