Associação mostra que aqui médico de plano ganha menos que cubanos. E ninguém vaia!


Fernando Brito, Tijolaço 

"Você lembram do episódio das vaias de um grupo de jovens médicos cearenses aos  cubanos que chegavam a Fortaleza, em 2013, para o “Mais Médicos”?

Por ironia, acabei hoje caindo numa página, não datada, da Associação Médica Cearense que denunciava as condições aviltante com que os planos de saúde remuneravam seus médicos conveniados, escrito pelo  Dr. Antonio Celso Nunes Nassif.

Lá, como você pode conferir, o médico – com consultório particular e as despesas correspondentes a ele – recebia R$ 42  reais por consulta, segundo a tabela então vigente de Classificação Brasileira de Hierarquização de Procedimentos Médicos (CBHPM) e fazia o cálculo de quanto ele ganharia se tivesse 170 pacientes “novos” por mês – ” reconsulta no mesmo mês não remunera”, segundo o site da AMC – ninguém faltasse e não houvesse um horário vago, daria quatro horas de “expediente” no consultório. Sem férias, feriados, etc…


Com isso, o médico – depois das despesas de consultório, recepcionista, telefone, limpeza, etc – e antes do Imposto de Renda – ficava com uma renda de  R$ 2.220,77.

Apliquei os índices atuais da CBHPM, recém-atualizada, que fixa a consulta simples (código 10101012) em um valor de R$ 63, o que muitas das operadoras de planos não pagam ainda, aliás. Em 2012,  um diretor do Sindicato dos Médicos da rica São Paulo dizia que “”tem planos que pagam R$ 12 por consulta”.

Mas vamos pela melhor hipótese e apliquemos o aumento de 50% no valor da CBHPM.

Aplicando este fator de reajuste para receitas e despesas, a renda daquele médico  – nos mesmos critérios do Dr. Nassif –  será R$ 3.331,15.

Mas o médico cubano não foi chamado de “escravo” com um salário de R$ 3.000, mais alimentação, moradia, férias, passagens e ainda mantendo seu salário que recebia em seu país?

É, de fato, muito pouco, mas é, na prática, mais que o pago médico brasileiro descrito pelo Dr. Nassif em seu artigo, do qual não tenho porque duvidar.
Tanto não duvido que é cada vez mais difícil encontrar médicos que atendam em consultório pelos planos de saúde, sobretudo os mais modestos e a qualidade do atendimento aos segurados esteja caindo vertiginosamente.

Mas os médicos mais jovens, que não tem grande clientela formada, têm que aderir aos planos para ter pacientes ou se submeterem a clímicas que não lhes pagam mais que estes valores.

Mas, curiosamente, não há uma grita generalizada da mídia contra isso.
Muito menos se faz manifestações para chamá-los de “escravos”.

Nenhum comentário: