Suíça prende Marin por corrupção. Falta o Ricardo Teixeira? E a Globo, está nessa?


Fernando Brito, Tijolaço 

"Os jornais amanhecem com a notícia da prisão de José Maria Marin, a figuraça que presidiu a CBF em substituição a Ricardo Teixeira, quando este não aguentou a exposição de suas falcatruas.

Mas, e o próprio? Claro que está metido no embrulho porque, como esclarece a Folha “as acusações, segundo a polícia suíça, estão relacionadas a um vasto esquema de corrupção de mais de US$ 100 milhões dentro da Fifa nos últimos 20 anos, envolvendo fraude, extorsão e lavagem de dinheiro em negócios ligados a campeonatos na América Latina e acordos de marketing e transmissão televisiva”.

Transmissão televisiva? Será que ouve-se aí um “plim-plim”?

E como a polícia suíça, nem o EUA vão adotar o “método Sérgio Moro” de que corrupção antiga “não vale”, Teixeira e seu ex-sogro, Jean-Marie Faustin Goedefroid Havelange, vulgo João Havelange, estão metidos em tudo, já que a acusação do Departamento de Justiça norte americano, em nota, é de que o “esquema que atuava há 24 anos para enriquecer dirigentes através da corrupção no futebol internacional”.

“Bola”, nos círculos dirigentes do futebol, no Brasil e no mundo, há muito tempo deixou de ser aquele objeto redondo perseguido no campo.

A Jabulani dos cartolas é outra, verdinha, em maços bem polpudos.

Tanto lá como aqui e é por isso que, no exterior e no Brasil estes dirigentes se perpetuam.

Afinal, o esporte de que gostam se pode jogar com qualquer idade."

Nenhum comentário: