Ricardo Noblat se manifesta sobre agressão de paneleiros a seu filho e sua neta

Do Facebook de Ricardo Noblat:

"A violência que atenta contra a liberdade de expressão e de pensamento, direito que deve ser assegurado a todo ser humano, merece ser reprovada com veemência venha de onde vier. Esteja a serviço do que estiver.

É uma pena que muitos enxerguem a liberdade de expressão como algo que só aos jornalistas interessa ou deve interessar. Se como jornalista sou proibido de divulgar o que pareça relevante, a sociedade perde tanto ou mais do que eu.

Deixei passar o dia para tentar me manifestar com menos emoção sobre a hostilidade sofrida por meu filho Guga Noblat, sua mulher e minha neta de sete meses quando, ontem, em São Paulo, voltavam para casa.

Eles moram atrás do MASP. No meio do caminho deles havia uma manifestação contra o PT e o governo Dilma. Alguns manifestantes reconheceram Guga da época em que ele foi repórter do CQC. Partiram para insultá-lo.

Guga, infelizmente, está provando na pele o quanto dura e arriscada pode ser a vida de um jornalista. Ele mesmo, quando adolescente em Brasília, foi vítima de uma agressão que quase o deixou com parte do rosto paralisado.

O Ministério da Justiça abriu inquérito e concluiu que a agressão tivera motivação política. Brasília era governada por Joaquim Roriz, e o jornal que eu dirigia, o Correio Braziliense, denunciava sem restrições os erros do governo.

André, meu filho mais velho, havia sido agredido dois anos antes da agressão a Guga por estudantes ligados a Roriz e a outros líderes políticos da cidade. Fui obrigado a mandá-los viver no exterior enquanto o ódio continuasse aceso por aqui.

Eu e Rebeca não criamos filhos para nós – mas para o mundo. Temos muito orgulho quando os vemos reagir com coragem e sensatez diante de dificuldades."

Nenhum comentário: