O PT não voltará a ser “a esquerda que a direita gosta”. A direita, agora, gosta de si mesma.


Fernando Brito, Tijolaço 

Não importa que tenha sido restrito aos bairros de elite e resultado de uma ação combinada pelas organizações de direita que se aninham nas redes sociais.
O “panelaço” das varandas não vai sair da cena política.

Veio para ficar, como o “Tea Party” não desapareceu nos EUA, como os partidos de extrema-direita ressuscitaram do pré- 2a. Guerra e da Guerra Fria na Europa, como acontece no Leste Europeu com partidos de inspiração – evidentemente negada, e nem sempre – nazista.

Claro que a insanidade e o ódio da mídia criaram a incubadora deste ovo da serpente.

Não cabe mais a fantasia de que um discurso de “inclusão” – em si correto –  pôde se diluir naquela história de “um país de todos”.

Claro que este é o desejável, mas não é o real.

O Brasil não é um país das maiorias porque segue sendo uma capitania de poucos.

O PT conseguiu muito com esta “aceitação das regras do jogo”, jogo viciado; é inegável para qualquer um que veja os indicadores sociais do país.

Mas que cobraram seu preço.

Regras que, ao não serem contestadas e receberem o “aceite” acabaram transformando seus quadros em políticos “amaciados” à sua prática.

As decisões polêmicas das quais se fugiu foram trazidas a ordem do dia agora, que mais fraco ele – o PT – se encontra.

E contra ele.

Mas o PT e o Governo do PT continuam sonhando em “(re)conquistar a classe média”.

Mas isso depende de um cenário de afluência econômica que não está no radar de ninguém.

Muito menos a elite, que se beneficiou durante todos estes anos,sente que pode destruí-lo.

Parte da classe média, que a ele deve a ascensão ,  comporta-se como o filho pródigo, que a si atribui todo o mérito e sucesso.

O PT vai ter de se acostumar à ideia de que será hostilizado pela direita, ainda que irracionalmente, porque jamais recusou-se a enfrenta-la aberta e decididamente.

Já não pode ser “a esquerda que a direita gosta”, lembrando a frase de Darcy Ribeiro.

A direita saiu do gueto e já  pode ter seus amores próprios e transtornados.
Mas o povão passou a se sentir órfão, porque seu amor agora, só faz acenos a outros.

Em quase seis meses, entre as medidas de arrocho – certamente necessárias – não há uma que pese sobre a elite financeira.

É preciso ter a clareza de ver que um governo de coalizão, no qual se tem de ceder – e hoje, de ceder muito – não se confunde com ter uma identidade política que o transcenda.

Identidade cujo nome é Luís Inácio Lula da Silva.

É contra ele que se batem panelas."

Nenhum comentário: