O Papa implodiu a Casa Grande

D Oscar fez a opção preferencial pelos pobres
"É a Igreja de João XXIII que os tucanos abjuram (em surdina).

Paulo Henrique Amorim, Conversa Afiada

Os estilhaços da explosão se ouviram na Casa Grande do professor Yves Gandra, autor do parecer do impítim e adepto fervoroso da Opus Dei.

(Parecer que o advogado de Fernando Henrique encomendou.)

O cheiro de queimado se sentiu também na mansão que a filha aluga ao Padim Pade Cerra, o místico da Moóca.

Como se sabe, a Globo e o Padim Pade Cerra tinham D. Odilo, cardeal de São Paulo,  como candidato a Papa, não tivesse sido D. Odilo cabo eleitoral de Cerra na desastrosa campanha de 2010.

Até o Papa Bento XVI, sob pressão de D. Odilo, entrou na batalha contra a Dilma.

A Direita católica inquisidora, arqui-reacionária levou um murro de Francisco I.

Que só o Estadão, verdade seja dita, destacou em escassas páginas impressas.

Dezenas de milhares de fiéis foram às ruas de San Salvador, em El Salvador, neste sábado 23/05, para celebrar a beatificação do arcebispo Oscar Romero, identificado com os pobres e a Teologia da Libertação, e assassinado em 1980, no altar, enquanto rezava uma missa.

Os assassinos pertenciam a um esquadrão da morte financiado por proprietários de terras.

O Papa Francisco I, o primeiro Papa latino-americano, já demonstrou que não é tucano.

Ao contrário, como diz o Stedile, parece mais ser peronista.

Recentemente, ele chamou pelo nome – “genocídio” -  o massacre dos turcos contra os armênios e, por falar em massacre, reconheceu o Estado da Palestina.

A extrema-direita considerava D Oscar um apólogo do Marxismo e, na hierarquia medieval da Curia Romana, a Teologia da Libertaçao era o cavalo de Troia do Marxismo para destruir a Igreja.

Por isso, a canonização de D Oscar demorou, como demora a de D Helder.

E, por isso, o cardeal Ratzinger, que deu o Golpe de Estado para assumir o Papado de João Paulo II, quando ainda na Congregação da Fé perseguiu Leonardo Boff e só não o lançou à fogueira ardente, porque o escândalo do Banco do Vaticano exauriu os recursos para comprar caixa de fósforos.

O Papa Francisco já se arrependeu – em publico – da atitude conivente com os militares que perseguiram dois padres jesuítas adeptos da Teologia da Libertação, durante o regime militar argentino.

(Ele também é o primeiro papa jesuíta.)

Ele divergia fervorosamente de Cristina Kirchner em questões como o aborto e o casamento gay.

Mas, tornou-se um cardeal dos pobres, que se relacionava com os movimentos operários, os pobres urbanos, da Grande Buenos Aires.

E com eles continua a se relacionar, como descreveu Stedile ao Conversa Afiada.

A canonização de D Oscar reafirma a “opção pelos pobres” do Papa João XXIII, que a Casa Grande brasileira e seus instrumentos – certos advogados, o PiG e o PSDB – abjuram (em surdina).

Uma parte dessa Igreja de João XXIII esteve, ideologicamente, na fundação do PT, no Colégio Sion.

Hoje, quem a abjura, em muitas paróquias, é o próprio PT.

Quem sabe, com a canonização de D Helder e a próxima visita de Francisco I à Bolívia, o PT releia as encíclicas do Concilio do Vaticano.

As mesmas de que o professor Gandra e o Místico da Moóca fogem como o Diabo da Cruz !

A Casa Grande brasileira está dispensada de ir à Basílica de São Pedro, em Roma.

Corre o risco de esbarrar num petista da Lava Jato, um argentino, um tal de Jorge Mario Bergoglio."

Nenhum comentário: