Época tenta se tornar uma sub-Veja


Miguel do Rosário, Tijolaço 

"Eu só discordo de uma coisa da posição do Nassif. A Globo, dona da Época, sabe muito bem onde quer chegar. Ela sabe que os desmentidos das redes sociais e blogs não alcançam a todos. Sabe que as redes sociais antipetistas são fechadas, não deixam entrar nenhum oxigênio. Qualquer mentira, mesmo as mais absurdas, toma ares de verdade. Vide a pesquisa da USP na marcha do dia 15 de março, que mostrou que a maioria acredita que Lulinha é dono da Friboi e que Dilma quer implantar ditadura comunista no Brasil.

Histórias sobre favorecimento à Venezuela são sempre bem recebidas. Esses setores sociais, definitivamente, não estão interessados em nenhuma verdade jornalística. Eles querem subsídios para falar mal do PT, e a Globo está dando.

*

Época não consegue inovar e repete a farsa

DOM, 10/05/2015 – 00:00
ATUALIZADO EM 10/05/2015 – 00:47

Por Luis Nassif, no Jornal GGN.

Não se sabe o que as Organizações Globo pretendem da revista Época, ao torna-la uma Veja de segunda mão.

Veja criou um estilo folhetinesco, um subjornalismo que atraiu um público vociferante, de baixo nível, afastando os formadores de opinião. Hoje, claramente, sua reputação desce ladeira abaixo, perdendo o respeito de toda a categoria.

Qualquer resquício de inteligência editorial na Época buscaria um contraponto para atingir público de melhor nível já que a única semanal decente, a Carta Capital, não tem fôlego financeiro para ampliar espaço.

Em vez disso, Época envereda por um caminho sem volta, transformando-se em uma sub-Veja. Pelo menos a Veja original teve a iniciativa de ocupar um terreno inexplorado – o do jornalismo de esgoto – garantindo um público fiel. Quem pretende alguma relevância jornalística evita ir a reboque de qualquer estilo, menos ainda do esgoto.

Na semana passada, o falso escândalo das viagens de Lula não teve repercussão nem nos próprios veículos da Globo. Sofreu uma desconstrução desmoralizante na Internet e no próprio Ministério Púbico Federal – da procuradora incumbida de analisar a denúncia.

A jogada desmoralizada é a seguinte:

1. A mídia publica qualquer denúncia.

2. Qualquer pessoa pode entrar com uma representação – inclusive procuradores – com base em “notícia de fato criminoso”. Por si, enquanto não for aceita pelo MPF, a representação não tem nenhum valor.

3. A representação é sorteada para um procurador opinar. No caso da capa anterior da Época, a procuradora incumbida de analisar a representação igualou a notícia jornalística de fato criminoso, sem provas, a denúncia anônima.
Qualquer organização minimamente competente procuraria não repetir a jogada.

Como as Organizações Globo tornaram-se um bicho de sete cabeças sem nenhum cérebro, Época repete a mesma jogada já desmoralizada:

1. Em abril publica uma denúncia furada sobre os financiamentos para o Metrô de Caracas.

2. No dia 6 de maio outro procurador faz uma representação tão inócua quanto a primpeira: uma mera “notícia de fato criminoso”, baseado na reportagem da Época.

3. No mesmo dia em que a representação é apresentada, a revista prepara a reportagem que sai publicada no dia 8.

Raio x da reportagem
Dentro do estilo sub-Veja que tomou conta da Época, a reportagem é um imenso nariz de cera, com maioria absoluta de informações já conhecidas, emoldurando a única informação nova: a “notícia de fato criminoso” que não traz nenhuma informação nova, porque calçada em reportagem anterior da própria revista.

Analise-se a matéria:

1. Ela tem 10.415 palavras.

2. O título principal “Ministério Público diz que governo repassou irregularmente R$ 500 bi ao BNDES” é matéria velha. Desde o ano passado o TCU investiga esses repasses, fato fartamente noticiado pela imprensa.

3. O subtítulo “Procuradores abrem investigação sobre empréstimo do banco ao governo da Venezuela” é mentiroso. Como já explicado nas diversas análises da capa anterior, “notícia de fato criminoso” só se transforma em investigação depois de aceita por um procurador sorteado para analisar a representação.

4. 4.842 palavras, ou 46% da reportagem, são sobre as transferências de recursos do Tesouro para o BNDES, objeto de vasta cobertura da imprensa, sem nenhuma informação adicional. Permite-se ao ridículo de afirmar que, ao chamar os senadores de Vossa Excelência”, o presidente do BNDES Luciano Coutinho pretendia “mostrar quem está acima de quem no poder político brasileiro”.

5. Mais 1.489 palavras, ou 14% do texto, um enorme nariz de cera cuja única informação concreta, é a representação – que nem investigação é – em cima de “notícia de fato criminoso”. A única novidade é que encontraram um segundo procurador para efetuar a dobradinha de endossar uma notícia equivalente a uma denúncia anônima. A parcela de ridículo é a relevante informação de que “dois anos depois, em junho de 2011, já fora do governo, Lula viajou para a Venezuela, num voo bancado pela Odebrecht” (assim, em negrito).

6. O restante do texto são os desmentidos do Instituto Lula

Não dá para analisar o teor da representação pela matéria de Época – já que a revista não tem o menor discernimento para tratar de temas técnicos. Mas causa surpresa que essa mesma falta de discernimento jornalístico acometa alguns jovens procuradores do MPF. São procuradores que não avaliam os efeitos dessas dobradinhas para a imagem da corporação."

Nenhum comentário: