Tratamento da Joven Pan a Carsughi revolta jornalistas


"Claudio Carsughi, um dos mais célebres comentaristas esportivos brasileiros, foi demitido após 60 anos de serviços prestados à Joven Pan, por Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha, que abriga, agora, em seus quadros, integrantes primitivos da nova direita como Danilo Gentile e Rachel Sheherazade; "a grande sacanagem", definiu Humberto Mesquita, editor da Band e do SBT; "um mestre não pode ser demitido sumariamente", protestou Tão Gomes Filho, ex-diretor de Istoé; "A terceira geração descerrará a lápide da Jovem Pan", cravou Luis Costa Pinto

Brasil 247

A decisão do empresário Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha, herdeiro da Joven Pan, de demitir o experiente jornalista Claudio Carsughi, para abrigar personagens primitivos como Danilo Gentile, que faz propagando do ódio nas redes sociais, revoltou a classe jornalísitca.

Eis, abaixo, alguns relatos de importantes profissionais da comunicação:

Humberto Mesquita, que foi apresentador e editor de Band e SBT:

CLAUDIO CASURGHI. A GRANDE SACANAGEM - Para poder abrigar esta geração reacionária que invadiu a outrora tradicional Jovem Pan, a direção resolveu demitir o mais antigo e competented profissional, o comentarista de esportes Claudio Casurghi. A injustiça se comete em nome da reação, da deslealdade, da safadeza. Paulo Machado de Carvalho que foi o maior admirador de Casurghi certamente está se remoendo no túmulo com o absurdo praticado pelos seus filhos. O Dr. Paulo era um homem de visão, uma pessoa de bom caráter e que agia sempre com muita imparcialidade na condução da emissora. Hoje a Jovem Pan segue os passos dessa parte da mídia reacionária, parcial e aventureira que torce pela destruição do Brasil. Lamento pelo meu amigo e companheiro Claudio Casurghi com quem trabalhei na antiga Rádio Pan-americana. Minha solidariedade ao grande jornalista.

Luis Costa Pinto, ex-editor de Veja e Época

O juízo já se havia ido há muito. Agora, está claro que perderam as estribeiras. A terceira geração descerrará a lápide da Jovem Pan. 

Tão Gomes Pinto, ex-diretor de Redação de Istoé

Quero juntar minha voz (já um pouco rouca) aos que protestam contra a demissão de Claudio Carsughi, depois de sessenta (eu disse SESSENTA...) anos de grandes serviços prestados por esse jornalista notável à Jovem Pan, que na época de sua chegada, eu creio, era ainda a "Panamericana, a emissora dos esportes é fantástica...". Carsughi, com quem tive o prazer de trabalhar na extinta Edição de Esportes do Estado de São Paulo, era inesquecível, até pelo seu sotaque italo-brasileiro. Sempre foi muito mais do que um simples jornalista esportivo. É um homem de cultura, fala 5 idiomas, acompanha com tristeza a decadência moral do futebol brasileiro (e internacional). Sempre o considerei um "mestre" e um mestre não pode ser demitido sumariamente. Ou melhor, poder, pode. Mas jamais deveria."

Um comentário:

Francisco José de Souza Ribeiro disse...

Simplesmente deplorável e canalha esta atitude deste neenderthal da mídia suína brasileira. Vamos a luta pela democratização e regulação da mídia pelo povo ! Passou da hora de reagirmos a esta matilha !