RBS, pega na Operação Zelotes, tem Gávea, de Armínio Fraga, como sócia


Fernando Brito, Tijolaço 

 "O grupo RBS, que começou a admitir indiretamente a falcatrua contra a Receita Federal, numa “autuaçãozinha” de R$ 672 milhões (leia no Diário do Centro do Mundo o presidente do grupo Duda Sirotsky dizendo que fez a mutreta foram seus advogados, não ele), tem mais um ingrediente explosivo em sua participação na Operação Zelotes, além da sua condição de associada da Globo em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.


É que a RBS tem um sócio, especializado, justamente, em operações financeiras: a Gávea Investimentos, de Armínio Fraga, ex-quase-futuro Ministro da Fazenda de Aécio Neves.

Em 2008, Fraga comprou 12,6% do capital do grupo gaúcho, por valor não revelado.

Passou a ser, portanto, beneficiário direto de anulação de débitos fiscais que, no ano em que comprou parte de RBS.

E não são “debitinhos”, não.

R$ 672 milhões é mais que todo o ativo da holding RBS Participações apurado em suas demonstrações contábeis de 2013.

E se o débito refere-se a autuação desta época, ou anterior, certamente não escaparia da due diligence normal neste tipo de compra de capital, porque não se paga por um ativo que tenha passivo fiscal desta ordem.

Um comentário:

Décio Adams disse...

E dizem que o Aécio Neves com sua equipe de trabalho seria a solução para os problemas enfrentados pelo país. Como podemos acreditar nas palavras de um politico, ligado a quem está envolvido até à raiz dos cabelos em atos de corrupção, tão ou mais cabeludos que o propalado "petrolão". Temos pessoa premiada pela segunda vez (o que é ilegal) com delação premiada, provavelmente fazendo delações previamente prepagadas visando solapar o governo do país e assim inviabilizar a governabilidade. Assim no próximo pleito poderão de aprsentar como a única alternativa para os problemas.
Há tanta podridão que chegamos a sentir nojo, o estômago fica embrulhado, a alma se contorce em convulsões de revolta diante de tanta desfaçatez. Os meios de comunicação de massa( leia-se canais de TV) em sua maioria são tendenciosos e corruptoss, visando obter gordas fatias das verbas de publicidade dos órgãos governamentais.