Caiado usa prisão para pedir cassação do PT


"O cerco se fecha. Diante desse cenário, tudo caminha para que o PT perca o registro de partido político. E, comprovado que a presidente Dilma foi beneficiada por esse esquema em suas campanhas, será mais que suficiente para ela perder o mandato por corrupção", declarou o líder do DEM no Senado nesta quarta-feira; para Ronaldo Caiado, a "reincidência de irregularidades" no alto escalão do PT é suficiente para colocar em suspeição a legitimidade do grupo partidário e da reeleição de Dilma; no último domingo, ele foi aos protestos vestindo uma camiseta fascista, associando Lula a uma deficiência física; presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), é investigado no STF por receber propina de R$ 1 milhão

Brasil 247

O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), usou a prisão do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, para pedir a cassação do partido nesta quarta-feira 15. "O cerco se fecha. Diante desse cenário, tudo caminha para que o PT perca o registro de partido político. E, comprovado que a presidente Dilma foi beneficiada por esse esquema em suas campanhas, será mais que suficiente para ela perder o mandato por corrupção", escreveu o parlamentar em sua conta no Twitter nesta manhã.

"O PT não tem credenciais de partido político, e sim de lavanderia. PT é reincidente ao ter o tesoureiro Vaccari, sucessor de Delúbio, preso. Vaccari arrecadou dinheiro desviado de empresas públicas para alimentar campanhas do PT e encher os bolsos de seus dirigentes. Vaccari tem a chance de falar a verdade e não arcar sozinho com as consequências. Pode denunciar os verdadeiros chefões!", escreveu ainda Caiado.

Ronaldo Caiado compareceu aos protestos contra o governo na Avenida Paulista no último domingo 12 vestindo uma camiseta fascista, a mesma que usou nos protestos do dia 15 de março. A imagem impressa na camiseta associa o ex-presidente Lula a uma deficiência física, com a palavra "basta". O presidente do partido, senador Agripino Maia (RN), é investigado no STF por receber propina de R$ 1 milhão."

Nenhum comentário: