85% da população acham que atendimento melhorou com Mais Médicos, diz pesquisa


Do Globo

"O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira que a qualidade do atendimento melhorou para 85% dos entrevistados em uma pesquisa sobre o programa Mais Médicos. Ao todo, 87% também disseram que a atenção do médico durante a consulta melhorou, e 82% apontaram que as consultas passaram a resolver de uma forma melhor os seus problemas de saúde. No geral, a população deu nota 9 ao programa. Os gestores municipais cravaram 8,7, enquanto os médicos deram 9,1.

A pesquisa ouviu 14 mil pessoas entre novembro e dezembro de 2014 em 699 municípios e foi feita pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). Os números tinham sido apresentados na semana passada durante a Convenção Internacional de Saúde Pública – Cuba Salud 2015. O evento, realizado em Cuba, país do qual vem a maior parte dos médicos do programa, contou com a participação do ministro da Saúde, Arthur Chioso.

A pesquisa também quis saber as principais melhorias trazidas pelo programa. Em resposta espontânea, quando não são dadas opções para o entrevistado, 41% citaram o aumento do número de consultas, 35% o fato de os médicos estarem mais atenciosos, e 8% o tempo maior das consultas. Também em resposta espontânea, 60% destacaram a presença constante do médico no local como o maior ponto positivo do programa, seguido pela melhoria no acesso às consultas (46%).

Entre os desafios do programa, 63% citaram, também em resposta espontânea, a falta de especialistas, enquanto 45% destacaram a demora para conseguir exames. Durante a campanha do ano passado, a presidente Dilma Rousseff, que tentava a reeleição, prometeu o Mais Especialidades para aumentar o número de especialistas na rede pública. Não há previsão ainda de quando o programa será lançado. O Mais Médicos cuida apenas da atenção básica.

A pesquisa foi feita antes da ampliação do programa, ocorrida este ano. Na época, havia 14.462 profissionais do programa, dos quais 79% eram cubanos. Com os novos profissionais inscritos em 2015, o número total – incluindo brasileiros e estrangeiros – vai subir para 18.247. Segundo o Ministério da Saúde, eles estarão presentes em 4.058 municípios e 34 distritos sanitários especiais indígenas (DSEIs), atendendo 63 milhões de pessoas."

Nenhum comentário: