Músico brasileiro negro é espancado por policiais na Espanha


O maestro Israel de França teve a vida marcada por perseguições e racismo


Correio do Brasil / Agências

“Vítima de um ato de racismo na década de 80, que colocou o Brasil em situação difícil, internacionalmente, o músico Israel de França é conhecido por sua história de superação. Pernambucano, o artista se viu novamente em meio à violência, desta vez, na Espanha, onde foi espancado, noite passada. Maestro e violinista da Orquestra de Camara Ciudad de Granada, o artista foi espancado por policiais do Corpo Nacional de Polícia da Espanha, quando caminhava por uma das ruas do bairro de Zaidin, onde mora.

Israel caminhava com um amigo, pela rua, quando foi levado para dentro de um edifício e espancado por policiais. O caso foi relatado pelo próprio violinista, que está em casa, recuperando-se. Segundo afirmou, não houve qualquer motivo para a ação e os policiais sequer o interrogaram, durante o espancamento.

– Apenas me batiam e batiam – lembrou Israel, em relato de pessoas próximas ao músico brasileiro. O homem que estava com Israel na rua foi mantido do lado de fora do prédio, por ordem dos policiais, enquanto o amigo era espancado.

Israel mora há 23 anos na Espanha. Desde criança, no bairro de Peixinhos, em Olinda, a violência persegue o artista pernambucano. Ele foi vítima, ainda criança, de um episódio de racismo que chocou o país. Ele foi detido quando corria nas proximidades do Parque 13 de Maio, com o violino na mão, para não se atrasar para uma apresentação, e só foi liberado depois de tocar o instrumento para provar que era realmente músico.

Segundo os amigos, o artista encontra-se muito abalado e passa a maior parte do dia em casa. Em Agosto, Israel de França esteve em Recife, onde participou do Festival de Música Erudita. “

6 comentários:

zejustino disse...

A Espanha atualmente é utilizada pelos ianques para fazer propaganda contra a "ditadura" cubana.

O governo proto-fascista espanhol acolheu "dissidentes" cubanos (frequentadores assíduos do Escritório de Representação dos Estados Unidos em Havana-SINA) como asilados prometendo-lhes mundos e fundos. Depois de uma série de declarações ensaiadas, antes de partir, os "dissidentes" chegaram na Espanha esperando serem recebidos com festas no tal "mundo livre" e com uma série de direitos prometidos como, por exemplo, moradia para cada família e empregos para todos. Ledo engano. Foram todos enfiados num apartamentozinho merreca com um mensaleco com data para acabar que mal dava para a alimentação e, quando foram para rua protestar, receberam muita porrada da polícia.

A imprensa "democrática", ou do "mundo livre", não diz nada a respeito da quantidade de presos políticos, de cidadãos que são torturados e assassinados nas prisões espanholas e nem da violência que o governo proto-fascista trata as manifestações populares. Não dá muita atenção aos diversos casos de discriminação e racismo promovidos pela polícia espanhola que os governantes ou fingem não ver ou estimulam nos bastidores.

A internet está aí para mostrar e demonstrar quem são os verdadeiros bandidos na comunidade internacional. Só os preguiçosos e os amestrados pela mídia privada -e que tem acesso à rede- é que continuam a trabalhar até gratuitamente para o Império repetindo seu discurso hipócrita.

Anônimo disse...

Eu duvido muito que os policiais simplesmente espancaram ele sem motivo. Na verdade, isso parece ridículo.

Anônimo disse...

deve ter mexido com a mulher dos outros.

Anônimo disse...

Sim, existe racismo, óbvio...
mas quem ignora fatos é igualmente ignorante.
existem também TENDÊNCIAS E MEMÓRIAS.

não estou falando que todo negro é ruim! mas a maioria dos negros americanos, POR EXEMPLO, com aquela maldita mania de "ebonics" é insuportável.

enfim, não quero convencer ninguém tambem.

Anônimo disse...

não é racismo, a espanha não gosta de brasileiros pq eles nos chamam de vagabundos, prostitutas e drogados.
isso é verdade. não importa a cor da pele, eles não gostam é de brasileiros.

Anônimo disse...

Concordo com o comentário acima, Espanha não gosta de brasileiros em geral, pode ser negro, caucasiano, amarelo, roxo, verde-piscina ou o que for lol.... Pior é que o Brasil vai caminhando em um rumo perigoso junto ao racismo, só aqui mesmo para existir quotas raciais em universidades, ao invés de apoiar e suportar pessoas carentes, segregam uma parte da população e esta ainda plaude de pé, considerando um belo ato!!!