Hackers entram na guerra contra Israel

Ativismo digital se envolve no conflito armado. O coletivo cibernético Anonymous lançou um ataque contra 663 sites israelenses, entre eles o do Banco de Jerusalém, durante a madrugada deste sábado, em resposta à ofensiva militar na Faixa de Gaza. "Israel, a sua base de dados nos pertence", provocou uma conta do Anonymous no Twitter


O conflito Israel-Palestina ganhou mais um triste capítulo nesta semana, quando um bombardeio israelense na Faixa de Gaza, efetuado na última quarta-feira, matou o comandante militar do Hamas. O ataque gerou uma resposta inédita dos palestinos contra Jerusalém, além da ameaça de invasão israelense à Faixa de Gaza, e também motivou uma ofensiva cibernética contra 663 sites israelenses.

O grupo de hackers Anonymous divulgou a hashtag #OpIsrael nas redes sociais antes de atacar páginas oficiais de Israel, como a do Ministério das Relações Exteriores e a do Banco de Jerusalém. O site oficial do governo permaneceu bloqueado durante vários minutos. "Israel, a sua base de dados nos pertence", provocou uma conta do Anonymous no Twitter.

As páginas da prefeitura de Tel Aviv, de empresas de turismo e de blogs favoráveis ao governo também foram afetadas. "Este ataque ocorre em resposta à injustiça contra o povo palestino", explicaram integrantes do grupo. "Vocês não ficarão em segurança", postaram os hackers, que classificaram de "opressão" o que ocorre na Palestina.

"Eles não têm frota, nem Exército ou Força Aérea. Não há guerra em Gaza. Esta é apenas a continuidade da execução da força militar por parte de Israel em uma tentativa de tirar até a última pessoa do Estado da Palestina ", dizem os membros do Anonymous, pedindo que os envolvidos encontrem "pontos em comum para acabar com a violência".

"Dezenas de milhares de nós do Anonymous estamos com vocês e estamos trabalhando incansavelmente para lhes dar todo o tipo de ajuda", disseram os hackers. Em vídeo publicado na última quinta-feira, um membro do grupo demanda que a internet não seja cortada em Gaza. Assista (em inglês):



O mesmo perfil publicou um vídeo neste sábado do que seriam imagens dos ataques israelenses em Gaza. Assista:


Um comentário:

william haddad disse...

Israel ao invés de promover bombardeios contra os palestinos promovam o desenvolvimento nesta região já que vamos todos morrer por que náo morrer por uma causa em comum o DESENVOLVIMENTO, PALESTINOS, ajudem ISRAEL a desenvolverem a região com infra estrutura para receberem água e promoverem a agricultura, já que é para morrem e matarem façam isso matando a fome e a sede nesta região onde só florece o ódio e a discordância