Calar a periferia é uma forma de racismo

Tese é do escritor moçambicano Mia Couto. “Acredita-se que a periferia pode dar futebolista, cantor, dançarino. Mas, poeta? Pensamento próprio, isso não”

Daniel Mello, Agência Brasil

O escritor moçambicano Mia Couto disse, em São Paulo, que impedir a população mais pobre de pensar por si mesma é uma prática racista. “Acredita-se que a periferia pode dar futebolista, cantor, dançarino. Mas, poeta? No sentido que o poeta não produz só uma arte, mas pensamento. Isso acho que é o grande racismo, a grande maneira de excluir o outro. É dizer: o outro pode produzir o que quiser, até o bonito. Mas, pensamento próprio, isso não”.

O escritor, que já recebeu diversos prêmios, como o da União Latina de Literaturas Românicas, visitou ontem (7) o sarau da Cooperifa. O evento é realizado toda quarta-feira no Bar do Zé Batidão, na região do Jardim Ângela, zona sul paulistana. Nessas reuniões, que ocorrem há 11 anos, crianças, adolescentes e adultos se revezam ao microfone para recitar poesia.

“É uma coisa nova que me acontece no Brasil, estar em um lugar como este”, disse ao começar o bate-papo com a plateia que lotou a laje do bar para ouvi-lo. Couto já esteve no país em várias ocasiões, mas só na noite de ontem satisfez a vontade de conhecer a periferia de uma grande cidade.

“Faltava-me essa experiência”, ressaltou. “Eu queria visitar a periferia de uma cidade brasileira pela mão de amigos, pela mão de gente da periferia”, acrescentou o autor que também se sente procedente de um lugar periférico.“Sou filho de portugueses que migraram nos anos 1950 para uma pequena cidade. Moçambique já é uma periferia. Eu sou da periferia da periferia, porque é uma cidade pequena”.

A identificação com a periferia da zona sul de São Paulo também está, segundo Couto, na resistência à condição de invisibilidade. Para ele, os moçambicanos têm buscado força para dizer: "queremos permanecer, queremos ser parte do mundo, queremos ser parte de um universo que não é sempre periferia”.
Matéria Completa, ::AQU::

Comentários

  1. os esquerdistas do braziu repetem as mesmas frases de efeito, para ver se cola, quem está calando a periferia? sei lá eu não sou. Querer separar as pessoas é técnica antiga dos comunistas, repetir chavões até que o povão burro acredite e siga os vermelhos sempre foi de seu metiê. Vá procurar trabalho seus vagabundos

    ResponderExcluir
  2. Racismo ao que eu saiba é direcionada a uma determinada raça e não a uma determinada condição social, e há diversas raças morando nas favelas! O racismo aí está na cabeça desse escritor! deveria estudar um pouquinho antes de escrever essas bobagens...

    ResponderExcluir
  3. Ao me ver, caracterizar pobre como raça, soa bastante preconceituoso...

    ResponderExcluir

Postar um comentário