O levante da ralé paulistana



Eduardo Guimarães, Blog da Cidadania
“O cinturão-vermelho de São Paulo é um fenômeno geopolítico incômodo para certa elite de uma cidade que abriga os maiores contrastes sociais do país, pois representa o reduto eleitoral do partido preferido pela população mais pobre, a população da periferia.

O mapa eleitoral da capital paulista é azul-tucano no centro e vermelho-petista ao redor – daí a expressão “cinturão-vermelho”. Com efeito, as regiões melhor atendidas pelo governo local votam nele e as mais desassistidas votam na oposição.

Quem não conhece São Paulo, deve ficar intrigado. Será que há muito mais ricos do que pobres na cidade, para que os votos dos ricos superem os dos pobres eleição após eleição?

Não é assim. Quem vier a esta cidade em um fim de semana, sobretudo em um domingo, notará que o centro expandido, nesses dias, fica quase vazio, enquanto que a periferia abunda de gente.
Ora, mas se é assim por que a periferia sempre teve tanta dificuldade em dar votação majoritária ao PT?

Há vários fatores que geraram esse fenômeno – até há pouco. Por exemplo, a população da periferia é de origem majoritária do Norte e Nordeste e o fato doloroso é que boa parte dessa população veio para cá e não transferiu títulos de eleitor, além de não dar bola para política.

Além disso, a pobreza, a miséria e a má formação educacional propiciaram aos políticos conservadores enganarem essa população da periferia, levando boa parte dela – ainda que minoritária – a votar nos candidatos que, eleitos, governariam para os mais ricos.

Eis que, assim, a elite articulada das regiões centrais sempre fez a festa e elegeu quem entendeu que iria administrar para si.”
Artigo Completo, ::AQUI::

Nenhum comentário: