James Holmes, um consumidor



Carlos Latuff, CartaCapital

“Novamente o mundo assiste perplexo a mais um massacre nos Estados Unidos. E, novamente, a sociedade estadunidense chora seus mortos. Nenhuma novidade. Lá são inúmeros os casos de pessoas, aparentemente insuspeitas, que planejaram cuidadosamente cada detalhe de uma chacina e a colocaram em prática com itens encontrados em estabelecimentos comerciais.

No dia 20 de julho, um jovem de nome James Holmes, equipado com colete balístico, capacete, máscara contra gases e armado de pistola, escopeta e fuzil, entrou num cinema em Aurora, no Colorado, lançou bombas de fumaça e atirou contra os espectadores matando 12 deles e ferindo outras dezenas. De acordo com a polícia, James Holmes não tinha antecendentes criminais, o que significa dizer que até o dia do massacre James não infringiu a lei, fora uma multa de trânsito em 2011. O jovem não comprou o armamento e a munição das mãos de traficantes ou contrabandistas. Tudo foi adquirido legalmente em lojas estabelecidas.

James Holmes comprou quatro armas, dentre elas um fuzil semi-automático calibre .223. Armas com esse calibre podem ser encontradas em qualquer mercado nos Estados Unidos e sua aquisição não requer nenhum exame psicotécnico, depende apenas do dinheiro. Na Bas Pro Shop, uma das lojas visitadas por James, um fuzil nesse calibre, semi-automático, Remington R-15 VTR Predator, custa US$ 1149.99. Apesar de ser vendida como arma de caça, seu calibre foi desenvolvido por empresas dos Estados Unidos para o exército daquele país que, depois da Segunda Guerra Mundial, concluiu que precisava de um munição mais leve que a tradicional 7.62, afim de que seus soldados tivessem mais precisão de tiro e pudessem carregar consigo mais balas. O campo de provas desse novo calibre foi a selva vietnamita nos anos 60.”
Charge: Carlos Latuff
Artigo Completo, ::AQUI::

2 comentários:

Anônimo disse...

Adoro a hipocrisia do brasileiro, que mora em um pais de povo desarmado, onde morrem mais de 50000 por ano, mais que paises em estado de guerra declarada, tem de vir se achar melhor e falar mal dos EUA um povo armado onde se morre somente um fração minima do que se morre aqui.
Não dá pra esperar muito mesmo desse povo trouxa, submisso e sem cérebro que não passa de um bando de ovelinhas. Incluindo ai estão também os militantes chupadores de pica do Lula que comem toda a merda que ele manda e acham que estão engolindo caviar.

Sr Sartre disse...

Como se no Brasil isso não fosse possivel, não se esqueça do caso do Mateus Meira...

Eu sou a favor do porte de armas com regulamentos, e sei que no Brasil a grande maioria não está qualificada para possuir uma arma

mas a ideia de esperar indefeso por uma viatura da policia cruzar a cidade para me socorrer me assusta mais do que a ideia de ter uma arma de fogo na minha casa

A arma é só uma ferramenta, o verdadeiro perigo é a mão que a usa.