Calma, palhaços: a vida é um circo


Eberth Vêncio, Revista Bula

— Metade dos juízes acha que é Deus; a outra metade tem certeza disto.

Todos os presentes naquele respeitável recinto, exceto o magistrado, riram à beça do inusitado comentário feito pelo réu. A atitude seria mesmo muito risível, não fosse aquele um julgamento da maior relevância, envolvendo um palhaço de bufê para festas infantis que, supostamente, matara de susto uma velhota de oitenta e nove anos, ao estourar um balão de aniversário ao seu pé de ouvido.

— Mas aquela senhora nem escutava mesmo muito bem.

O juiz ficou mais rubro que a escarlate bandeira do MST e ameaçou retirar o acusado imediatamente do tribunal, caso ele se manifestasse novamente sem a sua devida autorização.

— O juiz é mulherzinha! Olhem a saia dele! (na verdade, a indumentária, apesar de lembrar muito uma saia, era uma toga). O réu comediante cantarolou aquelas bobagens levando o público a quase se urinar de tanto dar gargalhadas. Parecia um bando de pastores dividindo o dízimo dos fiéis.

— O senhor respeite este tribunal! Isto aqui não é um circo, seu palhaço!

Percebendo que Sua Divindade, ou melhor, o magistrado já perdia as estribeiras, o rapaz sentiu-se ainda mais confiante e emendou o bizarro falatório.

— Vocês sabem como é que um juiz diz “Bom dia, Excelência” para outro? “Louvado seja”. Daí o outro responde “Amém”.

Neste momento a algazarra tomou conta da sala. O juiz Divino (aqui não faço qualquer trocadilho; o nome do meritíssimo era mesmo Divino) ordenou aos policiais que levassem embora aquele bagunceiro, mas não foi atendido, pois os fardados homenzarrões rolavam no chão, contorcendo-se em dolorosas cólicas abdominais de riso.

Os jurados gargalhavam como se estivessem sentados num auditório da Câmara dos Deputados acompanhando o depoimento de um parlamentar acusado de honestidade pelos seus pares. Quanto mais o povo ria, mais o palhaço matador de velhinhas semi-surdas continuava a sua leréia.”
Artigo Completo, ::AQUI::

Nenhum comentário: