04 março 2015

Charge do Bessinha


Acusação contra Aécio cita suposto envolvimento com propina em Furnas


"Senador do PSDB teria recebido dinheiro 'através de sua irmã' pela empresa Bauruense

Do R7

Em depoimento ao Ministério Público ao qual a reportagem teve acesso, o doleiro Alberto Youssef, um dos principais delatores da Operação Lava Jato, afirmou "ter conhecimento" de que o senador Aécio Neves (PSDB-MG), na época em que era deputado federal, estaria recebendo recursos desviados de Furnas "através de sua irmã".

O procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, pediu o arquivamento da investigação envolvendo Aécio. A Procuradoria entendeu que as informações reunidas sobre o presidente do PSDB não são suficientes para que ele seja investigado, por isso sugeriu ao ministro Teori Zavascki o arquivamento da denúncia.

A melhor notícia até aqui é que Janot não virou um heroi da direita

Bom começo
Paulo Nogueira, DCM

"A lista de Janot, pelo que se sabe dela até agora, tem desde já uma virtude: provocar queixas à direita e à esquerda.

Parece ser um sinal de que Janot escapou da “partidarização” em seu trabalho, ao contrário do juiz Sérgio Moro.

A direita reclama de Janot porque ele não fez um trabalho para matar o PT. A grande nostalgia conservadora é o Mensalão, um circo cujo objetivo era massacrar o PT em praça pública.

Porta-vozes da direita saíram chutando Janot. Reinaldo Azevedo, na Veja, disse que tudo começava “muito mal”. Merval Pereira, no Globo, comprou a tese de Renan e Eduardo Cunha de que eles estariam na lista para beneficiar o governo.

Janot manda arquivar indício sobre Aécio. Imagine essa capa da Veja, a imparcial


Fernando Brito, Tijolaço  

Então ficamos sabendo, pela Folha, que o senador Aécio Neves foi citado por uma das empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato,.

Diz o jornal que ainda, por força do sigilo dos processos, não é possível “entender qual teria sido a citação ao senador que ensejou o pedido” (de inquérito?) ,mas que “ao longo das investigações da Lava Jato, transpareceu que uma construtora citou Aécio, candidato derrotado à Presidência em outubro, como alvo de pressões por parte de empresários”.

Ninguém pode dizer, sem saber, se foi correta a decisão de pedir o arquivamento do indício surgido sobre Aécio, que não se sabe qual foi e sobre o qual ele, como qualquer pessoa, tem a presunção da inocência, embora isto ande em falta no Brasil.

A tentativa da imprensa de vitimizar Renan e Eduardo Cunha

"Enquanto veículos culpam a presidente pela inclusão de Renan e Cunha na lista de envolvidos, professora de História da USP ensina análise política

Patricia Faermann, GGN

Sustentado em boatos e ilações, o que se pode acompanhar da cobertura da grande imprensa sobre a lista de Janot, enviada ao Supremo Tribunal Federal na noite desta terça-feira (03), é a tentativa da imprensa de endossar que os nomes dos peemedebistas, possivelmente incluídos nas investigações, são culpa do governo. 
Ainda que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tenha demonstrado nítida mudança de comportamento, com a informação de que seu nome estaria incluído, há um esforço superior da imprensa para fragilizar a tese de que políticos de outros partidos, além do PT, podem estar envolvidos no esquema de corrupção - até então com holofotes midiáticos apenas sobre a sigla da presidente Dilma Rousseff.

Lista de Janot agradou Planalto e oposição


"O que o Palácio do Planalto mais queria era compartilhar a crise da Operação Lava Jato com o Congresso Nacional; isso foi conseguido depois que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidiu solicitar a abertura de inquéritos contra os presidentes das duas casas legislativas, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o senador Renan Calheiros (PMDB-AL); para a oposição, foi também um grande alívio saber que o senador Aécio Neves (PSDB-MG), embora citado pelo doleiro Alberto Youssef, só bateu na trave e teve seu caso arquivado; coincidência ou não, Janot deverá ser reconduzido ao comando da Procuradoria-Geral da República em junho deste ano e está bem na foto tanto para o governo como para a oposição

Brasil 247

A temida "lista de Janot" saiu ao gosto do Palácio do Planalto e da oposição. De um lado, o governo federal conseguiu uma trégua, ao compartilhar a crise da Operação Lava Jato com o Poder Legislativo. Agora, com a inclusão dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no rol dos investigados, qualquer iniciativa antidemocrática, como um eventual pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, estará fadada ao fracasso. Afinal, com que autoridade moral o Congresso poderá levar adiante um processo de cassação? (leia mais aqui).

Charge do Bessinha


De pernas para o ar, Brasília assusta o Brasil


Ricardo Kotscho, Balaio do Kotscho

"Em qualquer situação, ao fazer nossas escolhas, começamos sempre com 50% de chances de acertar e 50% de errar. É da natureza humana. Depende das opções que adotamos. Foge a esta regra o que acontece com o governo Dilma-2: desde a sua posse para o segundo mandato, isolada e autossuficiente, a presidente tem conseguido errar 100%.

Na montagem do ministério, no lançamento do pacote fiscal, na sua relação com os partidos da base aliada e com o Congresso Nacional, Dilma não acerta uma, não dá uma bola dentro. Conseguiu, em apenas dois meses, montar uma sólida unanimidade _ contra ela e seu governo.

O tsunami político-jurídico que virou a capital do País de pernas para o ar nesta terça-feira, com a entrega da aguardada lista do Janot ao STF, deixou escancaradas as fragilidades das nossas instituições, a ausência de lideranças confiáveis e as relações cada vez mais esgarçadas entre os três poderes. A cada dia mais, Brasília assusta o Brasil. Ninguém confia em mais ninguém e não há chances de melhorar.

A grife preconceituosa de Luciano Huck

"Loja online do apresentador global colocou à venda modelos com estampas como “Vem ni mim que eu tô facin” (disponível para crianças) e “Salvem as baleias que eu salvo as sereias”

Anna Beatriz Anjos e Jarid Arraes, Revista Fórum 

A marca “Use Huck”, de propriedade do apresentador global Luciano Huck, está envolvida em mais uma polêmica nas redes. Após ser criticada por ter lançado camiseta com a estampa “Somos todos macacos”, aproveitado-se do episódio de racismo sofrido pelo jogador Daniel Alves no ano passado, agora podem ser encontrados no site da grife modelos tão controversos quanto. Em um deles, voltado ao público infantil, é possível ler os dizeres “Vem ni mim que eu tô facin”.

Para a psicóloga Aline Couto, a estampa é inadequada e reforça a sexualização precoce de crianças. “Se fosse uma estampa de uma camiseta para uma adulta [modelo também vendido pela loja online] já seria preocupante, pois objetifica com o puro e simples objetivo de vender. Pior ainda sendo pra uma criança. Já somos suficientemente julgadas pelo que vestimos enquanto adultas e dói ver uma marca fazendo dinheiro em cima dessa objetificação para uma criança”.

O primeiro baque de Eduardo Cunha


Altamiro Borges, Blog do Miro

"O lobista Eduardo Cunha (PMDB-RJ), eleito presidente da Câmara Federal em janeiro, estava se achando o máximo. Alguns jornalões, que deram apoio à sua candidatura na obsessão de derrotar o chamado “lulopetismo”, até chegaram a noticiar que ele se comportava como presidente da República, substituindo a “silenciosa” Dilma Rousseff. Mas sua gula, como antecipou o blogueiro Luis Nassif, logo causaria uma indigestão. Nesta semana, o deputado “rebelde” sofreu o seu primeiro baque. Ele foi obrigado a recuar na sua proposta fisiológica de conceder passagens para os cônjuges dos parlamentares. Só falta agora recuar em outros projetos ridículos, como o que cria o “Dia do Orgulho Hétero”.

Cid: Câmara tem uns 400 deputados achacadores


'Segundo o ministro da Educação, Cid Gomes, a Câmara dos Deputados, sob o comando do deputado Eduardo Cunha, "será um problema grave para o Brasil": "Tem lá uns 400 deputados, 300 deputados que quanto pior melhor para eles. Eles querem é que o governo esteja frágil porque é a forma de eles achacarem mais, tomarem mais, tirarem mais dele, aprovarem as emendas impositivas", disse o ministro, em visita à Universidade Federal do Pará

Brasil 247

O ministro da Educação, Cid Gomes, disse que a Câmara dos Deputados, sob o comando do deputado Eduardo Cunha, “será um problema grave para o Brasil.”

“Tem lá uns 400 deputados, 300 deputados que quanto pior melhor para eles. Eles querem é que o governo esteja frágil porque é a forma de eles achacarem mais, tomarem mais, tirarem mais dele, aprovarem as emendas impositivas”, disse o ministro, em visita à Universidade Federal do Pará.

Indagado se Eduardo Cunha elegera-se com o aval do governo, ele respondeu: “Não foi não, querido, não foi não. Tudo o que a força política mais realmente comprometida, mais identificada com esse esforço que ampliou a oferta de ensino superior no Brasil e que tem compromissos sociais, que reduziu a miséria ou extinguiu a miséria, todas essas pessoas estiveram contra a eleição de quem foi eleito lá.”

Leia aqui no blog de Josias de Souza."

Cunha: Espero que não seja investigação 'política'


'Presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB) negou que tenha sido avisado que seu nome estaria na lista de Rodrigo Janot entre os dos políticos investigados por desvios na Petrobras; por ora, parlamentar disse que a noticia é só "uma especulação", mas diz esperar "que não sejam investigações de natureza política"; 'Nenhuma apreensão, estou absolutamente tranquilo. Qualquer outra "alopragem" que possa aparecer estarei pronto sempre a esclarecer', acrescentou

Brasil 247

Citado na lista do procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), negou que esteja apreensivo porque “já foi vítima de ‘alopragem‘ e está pronto para esclarecer”. O peemedebista negou, no entanto, que tenha sido avisado da investigação:

‘Nenhuma apreensão, estou absolutamente tranquilo. Já fui vítima de uma “alopragem” há dois ou três meses e se essa “alopragem“ não foi suficientemente esclarecida que o seja. E qualquer outra “alopragem“ que possa aparecer estarei pronto sempre a esclarecer. Ninguém está imune absolutamente a nenhum tipo de investigação’, disse Cunha.

Por ora, o parlamentar disse que a noticia é só “uma especulação”, mas diz esperar “que não sejam investigações de natureza política”.

Cunha classificou ainda de absurda a hipótese de um parlamentar vir a renunciar caso o nome venha a aparecer na lista: “Isso é um absurdo”.

Produção industrial sobe 2% em janeiro, diz IBGE


Da Reuters

"A produção industrial brasileira subiu 2,0 por cento em janeiro frente a dezembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 4.

Na comparação com janeiro de 2014, a produção teve queda de 5,2 por cento, 11ª taxa negativa seguida nesse tipo de comparação.

A expectativa em pesquisa da Reuters era de que a produção tivesse alta de 1,50 por cento em janeiro sobre o mês anterior na mediana das projeções de 23 analistas, que foram de alta de 3,0 por cento a queda de 5,0 por cento.

Na base anual, a estimativa era de recuo de 4,7 por cento na mediana de 19 projeções, que variaram de avanço de 2,0 por cento a recuo de 6,8 por cento."

03 março 2015

Charge do Bessinha


Renan joga para a Globo

"Espetáculo sobre desoneração alivia a folha dos filhos do Roberto Marinho

Paulo Henrique Amorim, Conversa Afiada

O presidente do Senado, Renan Calheiros muniu-se de inusitada bravura e devolveu à Presidenta Dilma um ingrediente importante do ajuste: o fim da desoneração da folha de pagamentos.

Os jenios PiGais logo interpretaram como uma sublevação do PMDB, inconformado com possivel inclusão de alguns de seus gordos parlamentares na lista do Janot.

O PMDB vai à forra !

O PMDB vai derrubar a Dilma !

Nada disso, amigo navegante.

Nada mais velho do que o PMDB atender à Globo.

Blogueiros pedem acesso à lista do HSBC


Do Viomundo

Blogueiros encaminharam hoje ao Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) uma carta (na íntegra, abaixo), solicitando acesso à lista e dados dos 8.667 clientes brasileiros do HSBC na Suíça.

Postamos ainda a carta, em forma de petição, no Change.org

Ajude-nos a disseminá-la.

Quem quiser apoiá-la, é só clicar aqui.

Veja!